Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Exame de Ordem

OAB deve reexaminar prova prático-profissional

Ao julgar Apelação de um candidato ao Exame de Ordem, a 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região determinou ao Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil que proceda ao reexame de prova prático-profissional, observando-se a prova paradigma, bem como o padrão resposta.

De acordo com a desembargadora Maria do Carmos Cardoso, no caso foi demonstrado que houve tratamento desigual e contraditório na correção da prova prático-profissional, o que atrai a atuação do Poder Judiciário. Dessa forma, concluiu que, das provas trazidas aos autos, ficou demonstrado que a valoração da questão não aconteceu de forma isonômica.

O candidato autor da Apelação afirma que pretende a utilização, em sua prova, de critérios de correção utilizados para o paradigma, corrigindo-se quesitos que não teriam sido objeto de qualquer avaliação em sua prova prático-profissional, para os quais não recebeu qualquer pontuação.

Segundo ele, o quesito 2.5 da prova exigia fundamentação complementar e a banca examinadora exigiu argumentação complementar para fins de critério de pontuação. O candidato diz que apesar de tê-lo feito, a ele foi conferida a nota 0,00, enquanto à prova paradigma, foi conferida a nota total do quesito – 0,80.

Depois de ter examinado as provas apresentadas nos autos, a desembargadora Maria do Carmo Cardoso afirmou não se poder negar que, assim como na prova paradigma, o impetrante elaborou a argumentação nos moldes exigidos. Com informação da Assessoria de Imprensa do TRF-3.

Apelação Cível 547095320104013400/DF

Revista Consultor Jurídico, 7 de agosto de 2011, 14h11

Comentários de leitores

3 comentários

VERGONHA!

Monteiro_ (Advogado Autônomo - Civil)

Sinto vergonha de pertencer à OAB, ao menos como inscrito. É puro jogo baixo para evitar a concorrência desses bravos jovens que teriam muito mais a ofecer ao País do que essas mulas de mentes carcomidas, que não seriam, els próprias, aprovadas no famigerado exame. Por que não defedem, por exemplo, o fim das dinastias dos cartórios, profissão que tanto mercado abriria para esses jovens idealistas? Será porque a maioria dos cartórios pertence a essas antas da profissão? Tomem vergonha na cara!

O papai Noel e o moralizante exame da OAB

Paulo Jorge Andrade Trinchão (Advogado Autônomo)

Lendo o dispendioso comentário, chego a conclusão, que os contrários ao imprescindível exame da OAB, ao invés de se aplicarem mais, estão deveras esperniando mais do que mula brava; as suas pífias conclusões lembra-me muito mais a hipótese de acrediatar na lenda do velhinho da famosa barba branca...

Defesa do Exame

Flávio Souza (Outros)

Eu até defenderia o Exame, porém que a condução ficasse a cargo do MEC e que houvesse apenas a fase objetiva, ou seja, somente a Fase 1. E mais. Que a resposta padrão a eventuais recursos interpostos por candidatos tornasse pública a toda a sociedade para que assim todos tivessem noção sobre a fundamentação jurídica adotada pela FGV/OAB. Essa questão de provas subjetivas, avaliação psicológica e entrevistas devessem ser abolidas nos concursos públicos, afinal o caráter e comportamento de uma pessoa num pode ser aferido por estas vias, assim vejo, bastando ver deslizes graves de conduta de pessoas de altos escalões, e olha que é gente estudada e preparada para dar bons exemplos e não péssimos.

Comentários encerrados em 15/08/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.