Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sob ferros

STF manda apurar caso de algemado por pés e mãos

Por 

O Supremo Tribunal Federal determinou que a Justiça Federal do Espírito Santo apure se um tabelião preso sob acusação de corrupção passiva e formação de quadrilha foi mantido com os pés e as mãos algemados durante sua prisão preventiva. A determinação partiu do ministro Ricardo Lewandowski na última terça-feira (14/9), ao tomar conhecimento dos fatos trazidos pela defesa do réu no pedido de Habeas Corpus ajuizado no tribunal.
 
A 1ª Turma do Supremo concedeu Habeas Corpus para permitir que os tabeliães Carlos Alberto Corcino de Freitas e João Roberto Corcino de Freitas recorram em liberdade da sentença que os condenou a dois anos e seis meses de prisão. Os réus, titular e substituto do cartório Leandro, em Vila Velha (ES), foram denunciados por certidões de nascimento e outros documentos falsos. De acordo com o Ministério Público, os documentos foram usados por uma quadrilha para obter benefícios previdenciários indevidos.
 
No pedido de Habeas Corpus, feito pelos advogados Luciana Lóssio, Fabrico Campos e Aparecida Giori, os réus questionavam a prisão preventiva decretada com o fundamento de garantia da ordem pública e da instrução penal. A prisão foi mantida pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região e pelo Superior Tribunal de Justiça. O STF, contudo, acolheu o pedido e determinou a soltura dos condenados.
 
O relator do processo, ministro Lewandowski, registrou que a prisão preventiva foi decretada com a justificativa de que era necessário manter os réus afastados do cartório para evitar a destruição de documentos e provas que estivessem em seu poder. O ministro entendeu que, com a sentença condenatória, a coleta das provas já foi feita de forma suficiente. Por isso, o pedido de prisão cautelar não se sustenta mais.
 
A ministra Cármen Lúcia chamou a atenção para o que classificou com “circunstância gravíssima” de Carlos Roberto ter desenvolvido quadro de infecção e desnutrição por ter sido mantido algemado pelos pés e pelas mãos no período em que esteve preso preventivamente. “É do Supremo Tribunal Federal realçar que esse tipo de ‘estar em ferros’ é realmente muito grave, em que pese a toda a gravidade do sistema penitenciário brasileiro”, ressaltou a ministra, ao repudiar “qualquer abuso cometido contra qualquer preso”.
 
O subprocurador da República Wagner Gonçalves, apesar de dar parecer contra o pedido de Habeas Corpus, anotou que relatório médico anexado aos autos pela defesa mostrou que Carlos Alberto está com a saúde gravemente debilitada, apresentando “quadro de ansiedade, depressão, perda de peso (12 quilos nos últimos meses) e infecção”. Ainda segundo o subprocurador, a defesa destacou “o iminente risco de o estado evoluir para septicemia e o fato de terem encontrado o paciente ‘com as mãos e pés algemados’”.
 
Gonçalves registrou que “são públicas e notórias as péssimas condições das prisões ou do sistema carcerário no estado do Espírito Santo, condições essas já apuradas inclusive pelo Conselho Nacional de Justiça”. E afirmou: “assim, as informações e o laudo médico trazido pela advogada dos impetrantes impressionam. Uma pessoa não pode estar presa preventivamente algemada nos pés e mãos. Contudo, tais fatos não modificam ou justificam, por si sós, a revogação da prisão, mas merecem ser investigados, apurando-se responsabilidade. Afinal, o preso, sob os cuidados do Estado, merece todo o respeito à sua integridade física e moral”.
 
Por conta dos relatos, ao conceder o Habeas Corpus, o STF determinou que seja oficiada a 1ª Vara Federal Criminal do Espírito Santo para que tome as providências necessárias à apuração “desses fatos graves” e que o Ministério Público Federal tome ciência dos relatos trazidos pelos advogados.
 
HC 104.459

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 16 de setembro de 2010, 9h02

Comentários de leitores

2 comentários

Castigo Excessivo

rogério lima (Estudante de Direito - Consumidor)

Já nem sei dizer se a idignação que se faz necessária, a operadores do direito e, sobretudo, aos zeladores das relações humanas tem alcançe para fazer cessar tamanha agressão. Isto não fere a dignidade humana somente dos acusados, fere de morte os brios de quem é obrigado a assistir tamanha desumanidade.
Posso apostar que crimes praticados por políticos, grandes empresários e altas autoridades jamais e sob hipótese alguma aconteceria tão desnecessária violação de todos os princípios de nossa carta republicana.
Olho por olho! Dente por dente! ¨Senhor Deus onde estás que não intervem.¨
Rogério Lima

Mundo ilusório

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

A questão dos abusos cometidos contra presos no Espírito Santo já foi até mesmo alvo de denúncia formulada em Tribunal Internacional, até o momento sem qualquer providências prática. De nada adianta. A população em geral está se lixando para os presos, seja lá quem forem eles, e isso leva os administradores ao abuso. Na prática, tal como ocorreu em todos os outros casos semelhantes, ninguém será punido. O grande problema que assola esta República é o fato dos direitos e garantias individuais albergados pela Constituição Federal terem sido criados por vontade de estudiosos e intelectuais. Não refletem a vontade das massas, cuja atenção é exclusivamente voltada a futilidades, picuinhas e intereferência na vida privada alheia. Preocupação com o próximo quase não existe. Como não ha cobrança popular, das ruas, os abusos continuam e se intensificam.

Comentários encerrados em 24/09/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.