Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Investigação detalhada

Ministro da Justiça se reúne novamente com Tuma Jr.

O ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, se reúne com o secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior, nesta segunda-feira (10/5). Tuma Júnior é acusado pela Polícia Federal de ter ligações com o chinês Li Kwok Kwen, o Paulo Li, apontado como um dos chefes da máfia chinesa em São Paulo.

Segundo a Folha de S.Paulo, Barreto já recebeu informações da PF sobre as investigações, em que se suspeita que Tuma Jr. tenha ajudado Paulo Li a regularizar a situação de imigrantes ilegais e interveio para liberar mercadoria apreendida. Em gravações de interceptações telefônicas, Tuma Jr., que também é presidente do Conselho Nacional de Combate à Pirataria, trata da compra de um celular e de um videogame. Li, que foi assessor de Tuma Jr. quando ele era deputado estadual, está preso desde setembro do ano passado. O secretário não foi acusado formalmente à época porque o Ministério Público entendeu que não havia provas contra ele.

Nesta segunda-feira (10/5), o presidente da OAB-SP, Luiz Flávio Borges D´Urso, afirmou que recebeu com muitas reservas as denúncias contra o secretário. “Recebo com reserva, aliás, como devem ser recebidas quaisquer denúncias que surjam  na mídia em ano eleitoral”,  destacou. Para D’ Urso, as acusações devem ser apuradas. “De qualquer maneira o que não se pode admitir é o pré-julgamento e o desrespeito aos primados constitucionais da ampla defesa, do contraditório e da presunção de inocência em respeito ao império do Estado Democrático de Direito”, ressaltou o advogado.

O presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência da República, Sepúlveda Pertence, anunciou que o órgão decidiu abrir procedimento preliminar para apurar as denúncias contra o secretário. No sábado (8/5), o presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, Ophir Cavalcante, defendeu que o secretário seja afastado até o fim das investigações. "A acusação é grave e precisa ser esclarecida por se tratar do secretário nacional de Justiça, função importante no Ministério da Justiça", ressaltou.

Revista Consultor Jurídico, 10 de maio de 2010, 21h06

Comentários de leitores

3 comentários

OS TUMA E OS CONTRABANDISTAS

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

É só investigar os aeroportos de Cumbica e Viracopos e muita maracutaia tumista aparecerá...

RELACIONAMENTO PROTOCOLAR

GERPOL MS (Advogado Autônomo)

NÃO FOI DENUNCIADO JUNTO COM O PAULO LI PORQUE TEM RELACIONAMENTO ESCUSO COM MEMBROS DO MINISTERIO PUBLICO E É FILHO DE UM SENADOR. TAL PAI, TAL FILHO.

HIPOCRESIA CONTUMAZ....

Luiz Pereira Carlos (Técnico de Informática)

Não me preocuta os astecas do crime do colarinho branco, useiros e vezeiros na pratica contumaz, o Tuma la da cá, etc.
*
Me causa especie é como pode o Sr. Li ser empossado na republica como acessor da Secretaria de justiça que trata de assuntos como pirataria, contrabando, devio de verbas, caixa 2, evasão de divisas, e se quer ser notado.
*
A POLICIA FEDERAL deveria se ater a esses hipocritas que agora vem cinicamente tentar dissimular a direção dos holofotes, e propor um arrumadinho ou Arrudadinho, para dar fim a polemica.
*
Que País é esse que as portas da republica estão sempre abertas pra BANDIDATOS, que tripudiam sobre o cidadão com o apoio quase que incondicional do PODRE PODER JUDICIARIO, alguns prevaricando e vendendo sentenças, isso é mais nocivo do que qualquer PCC ou COMANDO VERMELHO.
*
Fazem de tudo nessa Republica, menos seguir a constituição e respeitar a lei.

Comentários encerrados em 18/05/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.