Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Disfarçada de enfermeira

Justiça liberta adolescente que raptou recém-nascido

O Tribunal de Justiça de São Paulo liberou a adolescente de 15 anos que raptou um recém-nascido de um hospital na zona Leste de São Paulo. Após pedido de Habeas Corpus impetrado neste sábado (8/5), a menina saiu da Fundação Casa onde estava internada desde quinta-feira (6/5). A informação é do portal Terra.

A soltura aconteceu neste domingo (9/5). Ela voltou para casa com a família, que foi orientada a encaminhar a menina à rede pública de saúde para tratamento psicológico, segundo a Fundação Casa.

Ainda segundo a instituição, a garota foi submetida a exames médicos e a acompanhamento psicológico durante o tempo em que permaneceu detida. Ela foi diagnosticada com má-formação uterina, o que, segundo a fundação, teria provocado um aborto e abalado o estado mental da adolescente.

Na terça-feira, a menina entrou no Hospital Maternidade Leonor Mendes Barros como paciente e se disfarçou de enfermeira para entrar na maternidade. Em seguida, ela pegou a criança no colo e levou para um quarto vazio, onde escondeu a recém-nascida em uma bolsa. O bebê ficou sob posse da adolescente por seis horas, quando os pais da jovem descobriram o sequestro e se dirigiram à Delegacia de Polícia.

Revista Consultor Jurídico, 9 de maio de 2010, 17h25

Comentários de leitores

2 comentários

VOCÊ SABE O QUE É RAPTO ???

acdinamarco (Advogado Autônomo - Criminal)

REPROVEI MUITOS ALUNOS E CANDIDATOS NOS EXAMES DA OAB PORQUE NÃO SABIAM O QUE ERA RAPTO. AGORA VEM O CONJUR, NOTICIÁRIO JURÍDICO, E ESCREVE UMA PATAQUADA DESSAS !! MEU DEUS !!! ONDE ESTAMOS ????
acdinamarco@aasp.org.br

A culpa não é da Polícia

Gabriel (Bacharel)

Quando ela raptar outros bebês, por favor, não ponham a culpa na pobre Polícia, que já fez sua parte retirando-a de circulação.

Comentários encerrados em 17/05/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.