Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Estratégia de defesa

Argentina limita exploração da Inglaterra nas Malvinas

Barcos e navios estrangeiros precisam de autorização oficial para transitarem por águas da Argentina. Segundo o vice-chanceler do país, Victorio Taccetti, a medida do governo argentino tornará mais cara e difícil a exploração do petróleo por empresas inglesas nas Ilhas Malvinas. As informações são da Agência Brasil.

“O decreto é parte da estratégia de defesa de nossos legítimos direitos [sobre as Malvinas), que são desconhecidos sistematicamente pelo governo britânico”, afirmou. A medida entra em vigor no mesmo momento em que as empresas de petróleo inglesas anunciaram o início das atividades de exploração de hidrocarbonetos na região.

O decreto será coordenado por uma comissão formada por cinco ministérios, que, por sua vez, terão coordenação das Relações Exteriores e da Economia. “Eles [os ingleses] querem explorar unilateral e ilegitimamente os recursos naturais que são da Argentina. [Por isso] a Argentina deve tomar medidas apropriadas para defender seus interesses e direitos”, disse o vice-chanceler.

O controle das ilhas é disputado pelos dois países desde o século XIX. Em 1982, Argentina e Inglaterra chegaram a participar de confronto armado na área. Para Cristina Kirchner, presidente do país latino-americano, o objetivo é defender os direitos dos argentinos.

De acordo com Taccetti, a Organização das Nações Unidas admite que existe “um litígio entre os dois países”. Para o vice-chanceler, os países vizinhos na América do Sul apóiam a Argentina. No entanto, o governo sofre críticas e cobranças sobre o decreto. Remediando a situação, Tacetti se mostra aberto para esclarecimentos.

“Estamos abertos a explicar o que foi feito e o que está sendo feito a qualquer momento. Isso felizmente é uma questão que todos os argentinos são muito próximos”, finalizou.

Revista Consultor Jurídico, 17 de fevereiro de 2010, 15h26

Comentários de leitores

4 comentários

Soberania.

Paulo Mendonça Souza (Advogado Autônomo - Civil)

Os corsários ingleses ainda estão pelos mares do mundo, como no século XIX. Os paises da América do Sul, não devem se submeter a nenhum tipo de interferência estrangeira. Se os Bretões querem petróleo, procurem sub os seus velhos e mofados palácios, inclusive o da não menos mofada rainha.
Amanhã, poderão estar perfurando poços na amazônia brasileira, sob a alegação de que a região é internacional, como já pensam os americanos. Com apoio internacional e sulamericano, a Argentina pode ter de volta as Malvinas, porém desorganizadamente como em 82, não. Chega de imperialismo por aqui.

As Malvinas são Argentinas!

andreluizg (Advogado Autônomo - Tributária)

Concordo com Mig77, as Ilhas Malvinas pertencem à Argentina, e não aos piratas Ingleses! O Brasil deveria apoiar a causa com veemência!
A China conseguiu Macau e Hong Kong de volta!

Pertencem à Argentina...

Mig77 (Publicitário)

Os ingleses, sempre piratas, hoje travestidos de diplomatas não poderão assegurar indefinidamente seu domínio sobre as Malvinas.A Argentina tem o apoio diplomático de todos os países sul americanos.
É muito?
Não!!!
A região não possui força bélica para fazer frente aos ingleses em caso de agressão.Como a Palestina não tem para fazer frente a Israel.Mas tem a razão a seu lado.
É alguma coisa!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 25/02/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.