Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Dados globais

Brasil lidera pedidos de remoção de conteúdo

As instituições governamentais brasileiras lideram a lista de pedidos feitos ao Google por informação e remoção de conteúdo, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (20/4) pela empresa. Pouco mais de 80% dos pedidos foram parcial ou totalmente atendidas. A informação é da Folha de S. Paulo.

Desses pedidos, 218 são relacionados ao Orkut, 33 ao YouTube, 26 ao Blogger, nove ao mecanismo de busca, quatro ao Gmail e um ao Google Suggest, sistema que sugere termos de busca semelhantes ao digitado pelo usuário

Entre julho e dezembro de 2009, o Brasil fez 3.663 pedidos de informação e 291 solicitações de remoção de conteúdo, segundo os números divulgados pela empresa. Em segundo e terceiro lugares ficam, respectivamente, Estados Unidos, com 3.580, e a Grã Gretanha, com 1.166.  Os dados, sobrepostos a um mapa-múndi, estão disponíveis no site Government Request tool (Ferramenta de Solicitações Governamentais), lançado nesta terça-feira (20/4).

No blog oficial da empresa, o Google afirmou que muitos desses pedidos, como os de remoção de pornografia infantil, são "inteiramente legítimos". "No entanto, historicamente, dados sobre essas atividades não têm sido amplamente divulgados. Acreditamos que uma transparência maior nos levará a menos censura", escreveu David Drummond, vice-presidente sênior de desenvolvimento corporativo e executivo-chefe legal do Google.

O site lançado pelo Google informa o número de pedidos que não foram aceitos, mas não dá detalhes sobre os motivos da recusa. O Google afirma que pretende incluir essas informações no futuro. A empresa afirmou, ainda, que pretende atualizar os dados sobre pedidos de informação e de remoção de conteúdo a cada seis meses.

Revista Consultor Jurídico, 21 de abril de 2010, 4h34

Comentários de leitores

2 comentários

Pintar o Sol da Cor que lhes convém

Gilberto Strapazon - Escritor. Analista de Sistemas. (Consultor)

COncordo com o comentário do João Augusto. Mesmo que os números sejam parecidos, por exemplo, com os dos Estados Unidos, é importantíssimo lembrar que lá, internet é de longe muito mais utilizada do que aqui. É comum o pedido de retirada de informações, sites, etc, por pura pressão. Notícias, debates em foruns, comentários que ferem os interesses unilaterais de alguém, tudo isto são motivos para que alguém que tem um pouco de dinheiro, se ache no direito de fazer a lei conforme lhe convém. Do outro lado, quem nem sempre está disposto a gastar , opta por retirar a informação para não se incomodar, pois quem tem mais recursos, infelizmente, ainda manda. Mesmo que a pessoa enfrente a situação, corre o risco de ser perseguida, perder o emprego, ser queimado no mercado perante clientes e fornecedores, enfim, a retaliação é certa e ocorre no melhor estilo dos "Senhores de Senzala", e a internet no Brasil, muitas vezes tem revelado a existência da "Senzala Virtual".
Gilberto Strapazon
http://cwconnect.computerworld.com.br/zenta

censura no google

João Augusto de Lima Lustosa (Advogado Sócio de Escritório)

O brasileiro adora uma ditadura, fazer a verdade de acordo com o poder que quer exercer. Daí essa melancólica liderança que, pelo jeito, só é maior na China. Uma fonte de fatos como a do Google não pode sofrer restrição. Tenho provas de remoção de sites incômodos a grandes empresas em que o título continua mas a página não abre. Uma triste notícia esta.

Comentários encerrados em 29/04/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.