Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Órgão independente

Resolução da PF reduz poder do Ministério Público

Na quinta-feira (1/3), o Conselho Superior de Polícia publicou a Resolução 1/2010 que reduz o poder do Ministério Público dentro da Polícia Federa e cria um órgão independente para fiscalizar as atividades policiais. Atual responsável pelo controle externo, o MP limita o acesso aos documentos internos, como sindicâncias, bancos de dados, memorandos e relatórios de missão. As informações são do Correio Braziliense. 

O objetivo da resolução é retaliar as últimas investidas de entidades de classe, parlamentares e até de ministros do Supremo Tribunal Federal contra a atuação da PF. O próprio ministro Gilmar Mendes, presidente do STF, declarou que o controle do MP sobre a polícia era “lítero-poético- recreativo” ao se falar sobre as acusações de que o delegado federal Protógenes Queiroz teria usado a quebra do sigilo telefônico durante a Operação Satiagraha para grampear integrantes do Executivo, do Legislativo e do Judiciário. O ex-ministro da Justiça Tarso Genro e o ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil Cezar Britto acompanharam a opinião do ministro.

A resolução determina que o MP não pode atuar em medidas de competência do Tribunal de Contas da União e da Controladoria- Geral da União, ressaltando que a polícia está subordinada ao Executivo.

O Conselho Superior de Polícia publicou ainda outra resolução que determina que os policiais federais e servidores somente atenderão a intimações e convocações para processos judiciais, inquérito policial, Comissão Parlamentar de Inquérito e procedimentos disciplinares. A norma também diz que a PF não irá instaurar inquéritos policiais baseados em “requisições ou notícias genéricas, ou sem justa causa”.

A resolução é em resposta a um manual de controle externo da atividade policial, elaborado pelo Conselho Nacional de Procuradores- Gerais dos Ministérios Públicos dos Estados e da União. O MP alega ter direito às ocorrências registradas e às informações sobre as providências adotadas pelaPolícia Judiciária. 

Revista Consultor Jurídico, 3 de abril de 2010, 17h32

Comentários de leitores

2 comentários

Controle lírico

olhovivo (Outros)

A culpa é do controle lítero-poético-recreativo, não obstante a CF estar em vigor desde 1988.

O QUE É UM ABSURDO, POREM COERENTE...

Luiz Pereira Carlos (Técnico de Informática)

Considero a medida um absurdo, não fosse o MINISTERIO PUBLICO o único culpado por tal investida anômala.
*
Não se faz mais MINISTERIO PUBLICO como antigamente, e isso foi o fator gerador dessa celeuma, o MP via de regra perdeu o status de intocável, a figura máxima de guardiã da democracia, indelével e confiável instrumento social dos oprimidos e mais fracos.
*
Noticias giram em manchetes diuturnamente sobre a incompetência que se apodera dos MP's em todo Brasil, por incapacidade ou por corrupção, omissão, conivência, com o crime e dos crimes perpetuados pelo Estado, etc.
*
Não gostei da decisão acho um absurdo cercear o MP, mas sou obrigado concordar que, pelo menos nesse momento atual, deixam a desejar...

Comentários encerrados em 11/04/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.