Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Marcha eleitoral

Eleição na OAB terá 15 mil candidatos no país

Por 

As Eleições 2009 da Ordem dos Advogados do Brasil vão movimentar 15 mil candidatos na disputa por sete mil cargos em todo o país. Para o triênio 2010/2012, além da diretoria das 27 seccionais, os advogados terão de escolher as equipes para dirigir as 1.150 subseções estaduais. A votação acontece na segunda quinzena de novembro (veja aqui para ver as datas). As inscrições das chapas já começaram.

Tabela - Advogados por Estados - Jeferson Heroico

O Brasil tem hoje 582.898 advogados inscritos na OAB. Todos devem votar, de acordo com a obrigação prevista no Regulamento Geral da Ordem. Há três anos, o país tinha 517 mil profissionais inscritos. A diferença mostra a expansão crescente do mercado. A cada ano, em média, 20 mil advogados são aprovados no Exame de Ordem.

A maior concentração de advogados, assim como de negócios, continua sendo na região sudeste. Um pouco menos da metade do número de advogados brasileiros está em São Paulo: 217.209. Em seguida, aparecem Rio de Janeiro (109.972) e Minais Gerais (59.080). A região sul tem representantes na quarta e na quinta posição, com 37.088 advogados no Rio Grande do Sul e mais de 34 mil no Paraná. Na sexta posição, vem o estado da Bahia, com metade dos advogados inscritos no Paraná: são 15,3 mil. A menor concentração de profissionais está em Roraima, que só tem 197 inscritos.

No país, o número de mulheres inscritas na OAB é bem próximo ao número de homens. Elas são 259.651. Eles, 323.193.

Disputas
No Rio de Janeiro, a disputa pela Presidência da seccional já chegou ao Judiciário. O vice-presidente e atual candidato à presidência, Lauro Schuch, recorreu à 30ª Vara Federal do Rio para pedir que o presidente da entidade, Wadih Damous, “se abstenha” de usar as dependências, os móveis e imóveis e os funcionários da seccional em benefício da sua campanha à reeleição.

Schuch especifica ainda mais as restrições que gostaria de ver em relação ao seu oponente na eleição. O carro oficial e o motorista só devem ser usados em eventos oficiais. Segundo o vice-presidente, Damous vem se utilizando, “sem qualquer pudor”, da estrutura da OAB-RJ em seu favor.

Ele pediu liminar e tramitação do processo em segredo de Justiça. A juíza Marceli Maria Carvalho Siqueira negou os dois pedidos. Disse que, por se tratar de eleição prevista na Constituição e sendo a OAB uma entidade indispensável à administração na Justiça, fica evidente o interesse público que justifica a abertura do processo. Em relação à liminar, disse entender a urgência alegada, mas disse também que é imprescindível coletar informações com o presidente da OAB-RJ antes de decidir.

Wadih Damous e Lauro Schuch, apesar de participarem de grupos políticos diferentes, foram eleitos presidente e vice-presidente em 2006. Os dois já haviam concorrido em chapas diferentes para as eleições anteriores. No entanto, como eram de oposição, resolveram somar forças para tentar fazer frente aos advogados que davam as cartas na seccional havia 15 anos. Deu certo. A chapa foi eleita com o discurso de mudar a cara da OAB do Rio.

Na OAB do Distrito Federal, o candidato Esdras Dantas tem anunciado que foi traído por Estefânia Viveiros, atual presidente da seccional. Estefânia apoia Ibaneis Rocha, seu vice-presidente. Foi apoiada por Esdras nas duas vezes que disputou as eleições. Esdras lançou chapa própria depois de ser muito assediado porque há em torno dele a ideia de que é “bom de voto”. Entretanto, perdeu quando tentou ser deputado distrital e quando se candidatou ao quinto para uma vaga no TJ-DF.

O conselheiro Luis Maximiliano Telesca decidiu renunciar na quarta-feira (16/9) ao cargo de presidente do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-DF. Telesca foi eleito presidente do TED pelo Conselho Pleno Seccional em 17 de dezembro de 2007. Na carta de renúncia, lida durante a sessão do conselho dessa quinta-feira (17/9), diz que, diante da largada do processo eleitoral, decidiu se afastar do tribunal “por me sentir desconfortável à frente do cargo uma vez que me inclino a apoiar uma chapa de oposição”.

Em São Paulo, a polêmica gira em torno da possível candidatura do atual presidente, Luiz Flávio Borges D'Urso. Ele já está em seu segundo mandato. Contra o terceiro mandato, colegas que o apoiaram nas duas eleições, estão se mudando para a oposição.

No sentido contrário, a situação afirma que hoje há muitos opositores que decidiram apoiar o presidente D’Urso, como os presidentes das subseções de Marília, de Barretos, de Bebedouro, Porto Ferreira e do Guarujá.

Propaganda eleitoral

Em todo o país, as visitas a escritórios estão em seu auge. Candidatos de todo o país estão indo atrás de seus eleitores tanto pessoalmente quanto pelo mundo virtual. Mensagens no Twitter são cada mais recorrentes, assim como os e-mails de lançamentos de campanha, com a divulgação de propostas.

A internet está liberada para a campanha eleitoral na Ordem. Os candidatos podem ter Twitter, Orkut, sites, blogs, disparar e-mails e torpedos aos eleitores, além de fazer propaganda em banners. Jornais e revistas, respeitadas as dimensões dos anúncios, como prevê o Conselho Federal, também podem ser usados, assim como cartas e santinhos. Na internet, o banner deve ter até 234X60 pixels de dimensão e até 25 kbytes de tamanho, limitando-se aos formatos .jpg, .jpng, ou .gif, contendo o nome da chapa.

Propaganda em rádio, televisão e outdoors continuam proibidos, como ressalta o presidente da Comissão Eleitoral Nacional, Delosmar Mendonça Junior. Entrevistas, debates e notícias sobre a campanha eleitoral nesses meios de comunicação podem ser feitos. No dia da votação, é vedada a propaganda eleitoral no prédio onde estão situadas as salas de votação.

Composição das chapas
Os integrantes e a quantidades de cargos de cada diretoria varia de seccional para seccional. Em São Paulo, por exemplo, o grupo deve ter 80 membros. No Espírito Santo, são 37. No Rio Grande do Sul, 55.

Cada seccional elege uma diretoria de cinco membros, conselho seccional com média de 40 membros mais suplentes, três conselheiros federais mais suplentes, além da diretoria da Caixa de Assistência dos Advogados (cinco membros) e o conselho fiscal, no qual tomam posse outras três pessoas. Há ainda as eleições nas subseções, para ao menos cinco cargos. Os advogados também devem escolher o presidente do Conselho Federal.

Não podem se candidatar advogados que ocupem cargo de confiança ou em comissão no governo, tanto estadual quanto federal. Quem tem condenação na OAB também não tem o direito de concorrer, assim como os dirigentes que tiveram a prestação de contas reprovada. Os profissionais que estão inadimplentes com a anuidade, além de não poderem se candidatar a nenhum dos cargos disponíveis, não podem votar. O Edital da Eleição 2009 está disponível no site de cada uma das seccionais.

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 19 de setembro de 2009, 7h08

Comentários de leitores

19 comentários

NÁUSEAS

Sandra Paulino (Advogado Autônomo)

são o resultado dessas farpas que em nada enobrecem nossa profissão e que cansam e debilitam o espírito. Trabalho, isto sim, muito trabalho, para obter o resultado de esclarecimento da massa de ignorantes que aplaudem um sujeito que nem de longe se espelha no ideal dos advogados: liberdade! igualdade! fraternidade! esse "terminal mandatário" como diria um respeitável e incomparável advogado (mackenzista como fui eu mesma)nda tem de amante da liberdade; não se iguala conosco na busca de dias melhores para todos e JAMAIS, mas JAMAIS MESMO, demonstrou algum sentimento de fraternidade. O que une os vaidosos, os perdulários, os hipócritas, os bajuldores e sobretudo os USURPADORES, definitivamente, não é a fraternidade!
Concordando comigo, leia: http://blogsandrapaulino.blogspot.com/2009/04/projeto-de-criminalizacao-da-ofensa-as.html
Discordando, respeite-me, porque também eu tenho o direito a opinar.

Explicando:e retificando.

Fernando Joel Turella (Advogado Autônomo)

Isso anotado no final do meu comentário não é da minha autoria, pois faz parte do dito pelo Dr. Rui Fragoso:
"Assim, a anuidade terá um valor justo na medida em que a contraprestação também tende a melhorar, com a implantação das demais metas do nosso programa de gestão".

Anuidade na OAB/SP a partir de 2010.

Fernando Joel Turella (Advogado Autônomo)

Recebi e-mail do candidato Dr. Leandro Pinto que propõe a redução da anuidade da OAB/SP em 50% (cinquenta por cento).
O Dr. Rui Fragoso assim disse sobre a anuidade:
"REDUÇÃO GRADUAL DE 21% NA ANUIDADE
A meta proposta é diminuir o valor da anuidade em até 21% ao longo do triênio, em todas as faixas de cobrança, dos recém-ingressos e estagiários àqueles com mais tempo de advocacia. A média de redução será de 7% a cada ano de gestão.
A redução visa a adequar, sem perda de qualquer benefício, a anuidade paulista à média nacional. Isso porque o valor cobrado hoje de cada advogado e de cada estagiário inscrito na OAB SP é, pela média nacional, 30% maior. Sendo que a seccional paulista conta com mais de 280 mil advogados inscritos, o que corresponde a 40% do total nacional. A segunda maior seccional, a do Rio de Janeiro, ainda não chegou a 100 mil inscrições.
E qual será a meta do Dr. Hermes sobre tão relevante questão?
E qual é a opinião do Dr. D´Urso, será a redução ou mais aumento?
Com a palavra os candidatos ou seus assessores.
Assim, a anuidade terá um valor justo na medida em que a contraprestação também tende a melhorar, com a implantação das demais metas do nosso programa de gestão.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/09/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.