Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Indexador salarial

Correção com base no salário mínimo tem limite

O salário mínimo não pode servir como fator de correção para qualquer fim. Com base nesse entendimento, a Seção Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1), do Tribunal Superior do Trabalho, rejeitou embargos de um empregado contra a Corsan — Companhia de Saneamento do Rio Grande do Sul. Ele pretendia reajustar sua gratificação de função com base no salário mínimo.

Por meio de resolução interna da empresa, em outubro de 1986, o valor da gratificação de função recebida pelo empregado foi incorporada ao seu salário. A partir de agosto de 1987, nova resolução determinou que a gratificação passasse a ser paga à razão de seis vezes o valor do salário mínimo de referência, índice que perdurou até agosto de 1989.

Ao longo do contrato de trabalho, desde outubro de 1986, as gratificações de função eram reajustadas de acordo com os critérios fixados pela Corsan, mediante a edição de sucessivas resoluções internas. Sentindo-se prejudicado com as mudanças nos critérios dos cálculos a partir de 1989, o empregado ajuizou a ação trabalhista.

Para o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS), embora a prova produzida confirmasse o prejuízo causado ao empregado com a modificação unilateral do critério de cálculo, em detrimento do direito assegurado ao empregado. Para o TRT-RS, as mudanças só deveriam atingir os empregados admitidos a partir de suas edições.

Por outro lado, a utilização do salário mínimo, como indexador, também não poderia ser aceita, pois afronta a Constituição Federal (conforme dispõe o artigo 7º, inciso IV da Constituição) e a jurisprudência do Supremo. O TRT reformou, então, a sentença e excluiu a Corsan da condenação ao pagamento das diferenças com base na fixação do salário. Este entendimento foi mantido pela Segunda Turma do TST, em julgamento de recurso de revista – levando o trabalhador a interpor embargos à SDI-1.

O principal argumento apresentado pelo empregado foi o de que o reajuste pelo salário mínimo incorporou-se ao seu contrato de trabalho, pois a Constituição vigente à época não vedava a vinculação. Mas a SDI-1 seguiu o voto do relator, ministro Lelio Bentes Corrêa, no sentido de não haver direito adquirido contra o ordenamento constitucional. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST

E-RR-21.034/2002.900.04.00.0

Revista Consultor Jurídico, 2 de setembro de 2009, 13h01

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 10/09/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.