Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Novo argumento

Defesa de Roger Abdelmassih entra com novo HC

A defesa do médico Roger Abdelmassih entrou com pedido de reconsideração da ordem de prisão expedida em 17 de agosto pela 16ª Vara Criminal de São Paulo. O pedido é subscrito pelo criminalista Márcio Thomaz Bastos, que passou a fazer parte da defesa do médico, e pelo advogado José Luís Oliveira Lima. A petição foi entregue, em mãos, à juíza Kenarik Boujikian Felippe, titular da 16ª Vara. "Ratificamos os argumentos apresentados nos habeas corpus e anexamos a decisão do Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp)", assinalou a defesa.

Os advogados já ingressaram com três pedidos de HC — no Tribunal de Justiça de São Paulo, no Superior Tribunal de Justiça e no Supremo Tribunal Federal. Todos eles tiveram liminar negada. O decreto de prisão foi expedido pelo juiz Bruno Paes Stranforini.

Kenarik estava em férias. Há um ano ela havia rejeitado a primeira acusação contra o médico. O fundamento foi o de que o MP não tem poder para investigar.

Dias após a prisão, conselheiros do órgão suspenderam temporariamente o registro profissional. "Se um dos argumentos do Ministério Público (MP) para pedir a prisão era o fato de ele continuar clinicando, com a decisão do Cremesp isso cai por terra", disse Oliveira Lima. Com informações do Último Segundo.
Clique aqui para ler mais na ConJur.

Revista Consultor Jurídico, 1 de setembro de 2009, 14h05

Comentários de leitores

5 comentários

CARTEL DAS ABUSADAS

Cláudio João (Outros - Empresarial)

Amigos: convenhamos, temos de defender nosso cliente, assim somos pagos, mas, o silêncio é muitas vezes um mal necessário. Comparar Escola Base, uma sequência de atos infelizes disparados por mães inexperientes e ansiosas, diante de relatos de filhos que com certeza não sabiam direito o teor ds perguntas feitas, é uma coisa. Depoimento de mais de cinquenta mulheres adultas, com detalhes escabrosos, muitos amalgamados entre si, é diferente. Inventaram tudo? Não gostaram do trabalho meticuloso do Dr. Roger A.? Temos uma combinação sinistra de mulheres com o fito de prejudicá-lo, a que titulo? Deixar o assunto desaparecer nas brasas seja talvez mais conveniente do que levantar bandeiras que pesam toneladas. Abraços.

HC, ATÉ CONSEGUIR

Cláudio João (Outros - Empresarial)

Amigos: é irônico, mas, trata-se de uma prática que vem dando certo, na comunidade jurídica nacional. São impetrados tantos HC quantos necessários para soltar o indigitado paciente. Foi assim com o Maluf, com o Lalau, com a Suzana R. e recentemnete com o Gil R.Será com o Roger A. Quando esfriar o assunto, um ministro concederá discretamente o HC pedido, mesmo que esse último, seja acusado de ter feito ameaças às depoentes que tiveram o depautério de acusá-lo de estupro e atentado violento. Para isso contrata-se um dos melhores criminalistas com intenso tráfego na área. E é só esperar, já que, dinheiro, não falta. Afinal foram mais de 10.000 bebês a R$ 50k. Abraços.

Meu Caro Raul Haidar. Há juízo de valor, sim!

Prof. Dr. Jose Antonio Lomonaco (Advogado Sócio de Escritório)

Meu caro Raul Haidar. A imprensa tem sim tratado o Dr. Roger como criminoso, atribuindo a suas condutas juízo de valor. O colega está enganado. A capa da VEJA trouxe o epíteto "Desmascarado", acompanhado de outras chamadas internas (estuprador, criminoso, além de outros). Deu extremada valoração (isto seria juízo de valor?) às declarações das supostas vítimas, sem atentar para a mínima crítica quanto ao que estava coletando. Menciona penas a que está sujeito o médico, mas não informa convenientemente o leitor que o ônus da prova compete ao acusador. Lista dezenas de casos, mas não foi capaz de indicar que, em todos eles, o que existe são alegações das vítimas sem a menor réstia probatória, tratando tais relatos como verdade absoluta, sem levar em conta a impossibilidade física da prova. O caso, é sim, semelhante ao da Escola Base. Vocês não aprenderam nada. Continuam a massacrar sob a desculpa e o escudo de que apens noticiam coisas que ficam sabendo nas delegacias de polícia. Se os repórteres não tem habilitação para analisar provas devem coletar opiniões de especialistas. E não só dos que acham (e o achismo judicial é o maior dos crimes) que o médico é culpado. E, ademais, se não tem habilitação, devem se limitar a reportar os fatos, sem julgar, ou adjetivar condutas. Tem culpa sim. Estão fazendo tudo de novo. Escola Base, Bar Bodega...tudo igual. Só mudam as moscas. A lambança é a mesma.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/09/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.