Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Movimento mineiro

Marcha da Maconha em BH teve adesão de 50 jovens

Um grupo de aproximadamente 50 jovens conseguiu promover a Marcha da Maconha, em Belo Horizonte, no último sábado (9/5). A manifestação foi viabilizada por decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, que negou o pedido de liminar apresentado pelo Ministério Público Estadual contra a sua realização. As informações são do jornal O Tempo.

O MPE alegava que a manifestação deveria ser suspensa por fazer apologia ao uso de drogas, o que é considerado crime pela legislação brasileira. O TJ-MG, no entanto, entendeu ser direito dos organizadores manifestarem sua posição. Segundo a organização do movimento, o objetivo da Marcha da Maconha não é fazer apologia ao uso da maconha, mas "estimular reformas nas leis e políticas públicas sobre a maconha e seus diversos usos".

No sábado, os manifestantes se concentraram na Praça da Estação e seguiram até a Praça da Liberdade. Com cartazes, instigavam a sociedade com a pergunta "Por que legalizar?". O evento ocorreu de forma pacífica e foi acompanhada por policiais militares e guardas municipais.

Segundo a assessoria de imprensa do Ministério Público, o órgão conseguiu suspender a mesma Marcha na cidade de Americana, no interior de São Paulo, também programada para o sábado (9/5).

Revista Consultor Jurídico, 11 de maio de 2009, 15h44

Comentários de leitores

2 comentários

Corrijo: "em uma só das partes"

Nado (Advogado Autônomo)

..., mas se fixar em uma só das partes.

Parece retardo ou não?

Nado (Advogado Autônomo)

O cúmulo da ignorância não é ignorar o todo, mas se fixar em só das partes. Alguns fazem isso para manipular. Essa turma hipócrita, na qual incluo o ministro do meio-ambiente (que está vendendo a Amazônia para estrangeiros e aumentando a área de desmatamento, tanto no total quanto no percentual em cada alvará), esquece que a liberação de drogas, se não alterasse nada para usuários contumazes (o que não é verdade), libera o acesso para iniciantes e curiosos mal-advertidos, principalmente, para pré-adolescentes na escola intermediária. Também não é verdade que a liberação acaba com o mercado paralelo ou ilegal, conforme se constata com bebidas e com cigarros permitidos. A liberação só faz tranquilizar a turma do banheiro. Aquela que tem a chateação de ficar espantando fumaça e chupando bala de hortelã. No mais, ela é socialmente nociva e comprovadamente aumenta a incidência dos crimes violentos na via secundária que apresentam o uso de drogas como causa primária, entre eles, as fatalidades no trânsito e os casos de estupro. Espanta que magistrados que deviam combater as causas dos crimes estejam ajudando a elevar seus índices de cometimento.

Comentários encerrados em 19/05/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.