Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Dia de revolta

Presidente da Itália reclama de "indulgência" brasileira

O presidente da Itália, Giorgio Napolitano, criticou, neste sábado (9/5), o Brasil e a França por não extraditar dois condenados pela Justiça italiana, Cesare Battisti e Marina Petrella, segundo o site G1. Napolitano reclamou do que chamou de "indulgência inexplicável" de França e Brasil ao não extraditar dois "terroristas condenados".

Giorgio Napolitano declarou que foi obrigado a chamar a atenção dos chefes de Estado de Brasil e França "pelo tratamento inexplicavelmente indulgente reservado a terroristas condenados por crimes de sangue e que fogem há muito tempo da Justiça italiana". "Espero que minha voz seja ouvida com ânimo de amizade", disse em discurso em dia de homenagens às vítimas do terrorismo.

O Ministério da Justiça brasileiro concedeu, em janeiro, refúgio político a Cesare Battisti, sob a justificativa de que ele sofre fundado temor de perseguição política em seu país. Battisti foi condenado em 1993 à prisão perpétua por quatro assassinatos. Ele se declara inocente.

A França informou, em outubro do ano passado, que Marina Petrella, ex-integrante das Brigadas Vermelhas, condenada em 1992 à prisão perpétua por homicídios, por integrar um grupo armado e por tentativa de homicídio e sequestro, não será extraditada por "razões humanitárias".

As duas decisões irritaram as famílias das vítimas dos "anos de chumbo", o período de violência política na Itália de 1969 a 1988, que deixou 415 mortos em quase 15 mil atentados.

Revista Consultor Jurídico, 9 de maio de 2009, 15h29

Comentários de leitores

1 comentário

la e cá

hammer eduardo (Consultor)

Tudo bem , ja conheço a cantilena sebosa de que a Italia tambem é um Pais cheio de problemas e com historica corrupção , isto como se tivessemos alguma MORAL para apontar o dedo na direção dos italianos...........
O que deve ficar marcado é o fato referente a grande dificuldade que a Italia colocou naquele caso da extradição do "calhordi" italiano naturalizado brasileiro chamado de Salvatore Cacciola. Lembro que não tivemos nenhuma colaboração da Italia que usava o argumento de que não poderia extradita-lo para o Brasil , tivemos que aguardar pacientemente por uma bobeada dele dando "um pulinho" em Monaco para ai sim , a Interpol colocar as mãos nele. Depois foi aquela complicadissima novela de papel pra la , papel pra ca que se arrastou por incontaveis meses ate que finalmente o meliante foi transferido de volta para a "grade" brasileira onde provavelmente deverá sair em breve em vista da eterna leniencia e compreensão de nosso judiciario com os abonados na carteira.
Gostaria apenas de perguntar como ficaria a situação se o caso fosse inverso e em vez de termos que aturar esse meliante internacional defendido por variados merdalhões , digo , "medalhões" , o caso fosse do Fernandinho Beira Mar fugindo do Brasil , capturado na Italia e o "komissario" tarso genro, notorio e insuportavel capacho petista ficasse esbravejando contra o governo italiano por não quererem por algum motivo devolver o meliante. Como é que ficaria? Boa pergunta para um domingão não acham????

Comentários encerrados em 17/05/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.