Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Perseguido na presidência

Protógenes se compara ao presidente Lula em SP

Afastado da Polícia Federal enquanto se apura participação em ato partidário no interior de Minas Gerais, o delegado Protógenes Queiroz esteve na festa do dia 1º de Maio, realizada pela Força Sindical, em São Paulo. Ele se comparou ao presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e se disse perseguido. A perseguição, diz, é comandada por "forças internas e externas". As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

"No passado, o presidente, sua Excelência, o senhor Luiz Inácio Lula da Silva, foi a pessoa mais perseguida neste país, foi preso, e virou presidente. Comigo aconteceu a perseguição interna, investigações, desejo de obter uma prisão contra uma pessoa inocente. Que país é este onde quem cumpre seu dever é preso?", questionou.

O delegado, que chorou ao ouvir o Hino Nacional diante de um público estimado em 1 milhão de pessoas, foi convidado pelo deputado federal (PDT-SP) e presidente da central de sindicatos, Paulo Pereira da Silva. Paulinho da Força, como é conhecido, é um dos alvos da Polícia Federal na Operação Santa Tereza, por suposto desvio de recursos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Ele nega as irregularidades.

Protógenes disse que aceitou o "generoso convite" para participar da festa porque queria ir "aonde está o povo". Ele negou que tenha se decidido a disputar a eleição no ano que vem.

"Hoje eu estou na minha condição de aviso prévio. Trabalhador do serviço público de aviso prévio. Estou aqui para prestar minha solidariedade (...) nós, que somos a maioria de trabalhadores, não compactuamos com a desonestidade. Lugar de banqueiro bandido é na cadeia", disse à multidão.

Protógenes comandou a deflagração da Operação Satiagraha. Foi afastado das investigações depois de ter sido acusado de uma série de irregularidades. A Operação culminou com a prisão temporária e preventiva do banqueiro Daniel Dantas, do Grupo Opportunity, solto nas duas oportunidades por força de decisões do Supremo Tribunal Federal. O delegado é investigado pelas supostas irregularidades, mas foi afastado da PF, depois que a Corregedoria abriu investigação para apurar a participação de Protógenes em evento político em Poços de Caldas (MG).

Revista Consultor Jurídico, 2 de maio de 2009, 13h13

Comentários de leitores

4 comentários

Perseguição...

Zerlottini (Outros)

Pelas suas palavras, ele tá mais é pra Jânio Quadros que pra Lula. O Jânio renunciou, segundo ele, devido a "forças ocultas". E agora vem o Sr. Protógenes com "forças internas e externas". Isso aqui tá mais parecendo o Haiti, com seu vodu. Ninguém quer por o braço na seringa. O negócio é sempre arranjar umas "forças ocultas" pra justificar os próprios atos.
Francisco Alexandre Zerlottini. BH/MG.

Com certeza teria vomitado...

BATMAN (Advogado Autônomo - Criminal)

Não bastasse a loucura declarada, a vergonha também, ao que parece, foi perdida.
Que cena mais "clichê"! Chorar ao ouvir o hino nacional...
Meu Deus, quanto patriotismo!
Com certeza teria me dado náuseas se tivesse presenciado tamanho cinismo e oportunismo político.
As reais intenções do "perseguido" - e também coitadinho, tão ingênuo e inocente - Delegado não sei, mas que ele está querendo se popularizar a qualquer preço - por mais rídiculo que seja -, isso é indubitável.
Que nojo!!!

Com certeza teria vomitado...

BATMAN (Advogado Autônomo - Criminal)

Não bastasse a loucura declarada, a vergonha também, ao que parece, foi perdida.
Que cena mais "clichê"! Chorar ao ouvir o hino nacional...
Meu Deus, quanto patriotismo!
Com certeza teria me dado náuseas se tivesse presenciado tamanho cinismo e oportunismo político.
As reais intenções do "perseguido" - e também coitadinho, tão ingênuo e inocente - Delegado não sei, mas que ele está querendo se popularizar a qualquer preço - por mais rídiculo que seja -, isso é indubitável.
Que nojo!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/05/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.