Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Quadro estável

Melhora o estado de saúde de agressor de juiz do Pará

Por 

O quadro clínico de Amildison Santos da Silva encontra-se estável. Segundo o hospital de São Félix do Xingu (PA), ele corre pouco risco de morte. Na quarta-feira (28/1), Silva agrediu com uma pá de construção o juiz Leonel Figueiredo Cavalcanti, que revidou com dois tiros. As balas perfuraram três órgãos do agressor — pulmão, baço e intestino. Depois de passar por uma delicada cirurgia, Silva recuperou-se bem. Ele já está falando e andando. Segundo o hospital, ele apresenta distúrbios psicológicos.

Nesta sexta-feira (30/1), o juiz foi espontaneamente ao Tribunal de Justiça para relatar o ocorrido. Ele conversou com o juiz-auxiliar da presidência do TJ. Em entrevista à revista ConJur, Cavalcanti explicou que Silva já chegou ao fórum com uma pecheira com a intenção de machucar alguém. No entanto, o agressor foi contido pelas pessoas que estavam no local.

Mesmo desarmado, o homem continuou descontrolado, segundo a versão de Cavalcanti. O juiz, o promotor e o policial tentaram acalmar Silva. Como o fórum está em reforma, o homem logo encontrou uma pá e começou ameaçar os presentes.

Cavalcanti diz ainda que deu quatro tiros para o alto como advertência. “De repente, ele deu um pulo para cima de mim com uma ferocidade. No primeiro golpe, eu me esquivei. Já no segundo, ele me acertou e tive que me defender”, narra o juiz, que sofreu algumas escoriações, mas passa bem.

Cavalcanti conta que foi a terceira vez que o homem entrou enfurecido no fórum. O mesmo  já aconteceu na Câmara dos Vereadores, na Prefeitura e em estabelecimentos comerciais da cidade.

Segundo o juiz, Silva não tem nenhum processo na Justiça. “Nunca decidi nada da vida dele”, diz. Cavalcanti afirma que o agressor teve sua conta bloqueada quando tentou sacar um beneficio. “Provavelmente, explicaram errado e ele pensou que eu mandei bloquear.”

O juiz diz que o fórum tem policiais, mas no momento eles não fizeram nada. “Uma coisa é estar presente, outra é fazer uma ação efetiva”, diz. No momento, Cavalcanti está de licença saúde e pensa sobre a possibilidade de mudar de cidade. São Felix do Xingu fica na região sul do Pará, que é conhecida por ser uma zona de intenso conflito. Para o juiz, no entanto, o incidente não tem relação com a violência local. “Poderia ter ser em qualquer lugar."

Em dezembro do ano passado, o fórum do município de Igarapé-Miri (PA) foi incendiado por um grupo de moradores da cidade em protesto pela morte de um comerciante durante um assalto. De acordo com a Polícia Civil, o grupo invadiu o fórum de noite e roubou móveis e eletrodomésticos. Em seguida, o prédio foi depredado e incendiado. Policiais civis e militares foram acionados e, no local, prenderam dez homens e apreenderam dois adolescentes.

Em agosto do ano passado, o juiz César Augusto Rodrigues e um promotor foram resgatados por um helicóptero da Polícia Militar depois que centenas de moradores de Viseu (PA) incendiaram o fórum e invadiram a delegacia da cidade. Ninguém ficou ferido. O juiz e o promotor foram levados para a cidade vizinha de Bragança. Os presos na delegacia foram soltos pela população.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 30 de janeiro de 2009, 18h25

Comentários de leitores

2 comentários

Peixeira

Petró (Bancário)

Aqui na Paraiba usamos muito para cortar peixe, por isso o nome.

Saúde debilitada

Chris (Bancário)

Melhora o estado de saúde de agressor de juiz do Pará. Só uma correção: o instrumento usado pelo agressor foi uma PEIXEIRA - vide Aurélio - e não uma pecheira (sic). Que aquele siga em vida! Paz, muita paz.

Comentários encerrados em 07/02/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.