Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Lixo eletrônico

Segurança contra spams precisa ser reforçada em 2009

Por 

As tendências sobre spam e malware hoje em dia, podem ser caracterizadas por um número maior de ataques mais direcionados, sofisticados e disfarçados. O número de spam, por exemplo, vem aumentando significativamente. Seu volume cresceu 100%, subindo para quase 200 bilhões de mensagens diariamente em todo o mundo, ou seja, bem mais que 20 mensagens por dia, para cada homem, mulher e criança existente no planeta.

O número de ataques aumenta, coincidindo com acontecimentos populares ou grandes manchetes para dar à mensagem um caráter idôneo. Esses ataques têm como objetivo disseminar conteúdo malicioso, usando como “mulas” assuntos de grande interesse do público, como notícias sobre esportes, política e desastres naturais.

Além disso, o spam também está se tornando mais perigoso. As primeiras versões basicamente continham um texto com objetivo de vender algum tipo de produto. Desde então os spammers têm se sofisticado muito. Em 2007, tivemos uma grande variedade de spams com anexos. Os criadores de testaram mais de 20 tipos de arquivos diferentes para determinar o melhor. Os ataques rápidos de spam se tornaram lugar comum, com o incrível aumento dos surtos. As empresas de anti-spam lutaram muito para combatê-los o mais rápido possível. Isso deixou muito pouco tempo para reação, e muitos usuários de anti-spam acabaram duvidando da qualidade dos produtos que utilizavam.

Porém, com o aumento da eficácia dos filtros de anti-spam para barrar este tipo de anexo, já no final de 2007 e começo de 2008, os spammers estavam usando uma nova tática para driblar as defesas. Mais de 83% dos spams continham uma URL para um servidor web falso que freqüentemente abrigava malwares. De acordo com as tendências de combinação de diferentes técnicas de malware, o número de vírus baseado em URL cresceu 256%.

Essas mensagens normalmente driblam mecanismos tradicionais de spam que procuram palavras-chave ou elementos gráficos com cotações. Quando eles aterrissam na caixa de entrada do destinatário, já conseguiram atravessar uma das partes mais confidenciais da rede corporativa. Tudo o que ele espera agora é um clique errado para se ativar e liberar o acesso à rede interna ou levar o internauta a uma página onde oferecem seus produtos / serviços. Como as URLs utilizadas neste tipo de ataque são muito dinâmicas, alterando seu endereço de 4 ou 6 horas, além de driblar as ferramentas de anti-spam, passam despercebidos pelas soluções tradicionais de filtros URL, que cada vez mais vêm se fixando como uma solução de controle de produtividade e não uma solução real de segurança web.

Outro fator que marcou o mercado de segurança foi o aparecimento da Self Defending Bot Network. Os criadores de vírus evoluíram dos antigos ataques em massa como o do Netsky e do Bagel. Em 2007, os vírus já eram polimórficos e estavam normalmente associados à proliferação de sofisticados botnets, como o Feebs e o Storm.

O Storm e o MPack dominaram as manchetes sobre segurança na Internet, não apenas por causa da extensão e do escopo, mas porque trouxeram novas técnicas mais sofisticadas, que demonstram o refinamento dos softwares maliciosos. Os criadores de malware estão gastando cada vez mais recursos para desenvolver uma plataforma durável e reutilizável. Os métodos de entrega também estão mudando para ataques combinados que reúnem e-mail e web services.

Os ataques de 2008 partem diretamente de dentro da rede corporativa "protegida”. Muitos administradores acreditam que protegeram suas infra-estruturas para as quais os spams são apenas coisinhas irritantes. Mas a verdade é que o spam está sendo usado como um gateway para conduzir os usuários para sites perigosos. Para responder a isso, as empresas precisam implementar os sistemas mais avançados de segurança de e-mail e web que sejam capazes de bloquear as ameaças recebidas, reforçar a classificação, varrer todo o tráfego web iniciado pelo usuário e fazer monitorações o mais detalhadas possível em busca de prováveis infecções internas por malware.

 Arthur Capella é country manager da IronPort Brasil, unidade de negócios da Cisco, e líder em appliances anti-spam, antivírus e anti-spyware para empresas

Revista Consultor Jurídico, 9 de janeiro de 2009, 0h00

Comentários de leitores

1 comentário

Passados mais de 6 anos do promeiro projeto de ...

Kaminski (Advogado Autônomo - Internet e Tecnologia)

Passados mais de 6 anos do promeiro projeto de lei, e nenhum sinal da aprovação de uma lei decente, do ponto de vista do usuário nada como um filtro bem configurado. Consegue interceptar 90% dos spams, às vezes mais. Isso que é auto-regulamentação.

Comentários encerrados em 17/01/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.