Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ursinho araponga

Ex processa mulher que escondeu gravador em urso de pelúcia

Por 

Um homem da cidade de Omaha, em Nebraska, nos EUA, ajuizou ação civil contra a ex-mulher, alegando que ela e seu ex-sogro esconderam um gravador dentro de um urso de brinquedo da filha, a fim de “promover espionagem doméstica”. As informações são do site Findlaw.

De acordo com a ação, a ex-mulher, Dianna Divingnzzo, e o ex-genro, Sam Divingnzzo, “tentaram fazer uso indevido de um gravador dentro de um ursinho para poder produzir provas de custódia da filha num processo de litigância matrimonial”. O casal Dianna Divingnzzo e William Duane Lewton se divorciou em maio de 2004. O pai vinha tentando obter legalmente a custódia da filha.

Ainda segundo o processo, o advogado de William recebeu as cópias dos áudios, como presente, do ex-advogado de Dianna. “O ursinho gravou centenas de horas de conversas entre o Natal de 2007 e maio de 2008”, escreve o advogado John Kinney, que defende William Lewton. Ele, a filha de 5 anos de idade, mais outra cinco pessoas da família, todas gravadas, buscam ressarcimento de US$ 20 mil cada um, sob alegação de invasão de privacidade, produção de prova ilegal e violação de leis estaduais e federais, que preveem o uso de gravações apenas sob autorização judicial.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 9 de janeiro de 2009, 16h37

Comentários de leitores

1 comentário

CADEIA NELA!!!

silvagv (Outro)

Tomara que nos EUA não prevaleçam os privilégios que ex-mulheres têm nas barras da Justiça como aqui, no Brasil. Tomara que lá uma criminosa (e seus cúmplices) como essa tenha a devida punição e a guarda possa ser dada ao pai, tão capaz de criar filhos quanto ela. O Brasil é uma vergonha com relação aos direitos de família, em amplo e visível benefício às mulheres, inclusive na subsistência pecuniária das ex e de seus filhos, oriundos ou não da união legítima.

Comentários encerrados em 17/01/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.