Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Revolta do segurado

Mais de 100 peritos médicos do INSS foram agredidos em 2008

A Associação Nacional dos Médicos Peritos (ANMP) registrou no ano passado 102 casos de agressão a peritos médicos previdenciários por parte de segurados do INSS. Apesar de a associação considerar o número alto, a situação pode ser considerada melhor do que nos dois anos anteriores quando houve o assassinato de quatro peritos.

“A perícia não tem o que comemorar. Os 102 casos reportados ainda representam um número altíssimo, principalmente se levarmos em conta que em 2008, o INSS instalou equipamentos de segurança”, afirma Luiz Carlos de Teive e Argolo, presidente da associação.

O INSS diz que 92% das agências já contam com equipamentos de segurança. Para a associação, esse número é irreal. Além disso, Argolo argumenta que os funcionários não são treinados para usar esses equipamentos.

Em novembro passado, uma funcionária do INSS, que não é perita médica, foi assassinada durante o serviço. Em uma agência em João Pessoa, um homem atirou três vezes contra a funcionária Maria Osmarina Sabino da Silva, de 50 anos, que morreu no local.

Um dos casos de agressão aconteceu no final de dezembro, quando um perito em Minas Gerais recebeu uma cadeirada no braço de uma segurada de 40 anos. Revoltada com o resultado de sua perícia, a mulher tentou primeiro atirar o monitor do computador contra o perito que a atendia. Como não conseguiu, arremessou a cadeira.

Resta à associação apurar as razões que provocam este tipo de revolta e levam os segurados a agir dessa forma contra os agentes do INSS.

Revista Consultor Jurídico, 5 de janeiro de 2009, 19h07

Comentários de leitores

11 comentários

Alguém já ouviu falar em "lei da causa e do efe...

Júnior Brasil (Advogado Autônomo - Consumidor)

Alguém já ouviu falar em "lei da causa e do efeito"? Estudar medicina para atestar que uma maioria de pessoas doentes DEVEM VOLTAR AO TRABALHO, é lamentável.

Meu marido foi vítima de um AVC, ficando com se...

Nanda (Outros)

Meu marido foi vítima de um AVC, ficando com sequelas cognitivas, incapacitado de exercer sua profissão. Para todas as reavaliações pelos peritos do INSS, eu tinha que levar um laudo neuropsicológico, que custa em torno de 400 reais, para confirmar as condições de incapacidade dele. Durante uma dessas perícias, o médico nem sequer abriu o laudo, pois tinha sido feito há 3 semanas. Porém, devido ao sistema de marcação de perícia do INSS, fica impossível ter um laudo em mãos, feito com antecedência de um dia, como queria o perito. Francamente, eu fiquei desesperada com a situação.Ele cancelou o afastamento de meu marido e o mandou de volta para o trabalho, criando uma situação horrível nas escolas em que trabalhava. E o recurso só pode ser pedido um mês após o cancelamento do afastamento. Sou absolutamente contra qualquer tipo de violência, mas depois dessa experiência, compreendo melhor a situação de desespero de quem tem que se submeter a esse sistema e suportar a arrogância e desconsideração de um perito. Se ele sofre pressão da "gerência" para tomar decisões negativas, que tome as providências administrativas necessárias e simplesmente não desconsidere o ser humano que está na frente dele, no momento de maior fragilidade humana, que é quando nos falta a saúde.

Sou veementemente contra qualquer tipo de violê...

Paulo Cardoso (Corretor de Imóveis)

Sou veementemente contra qualquer tipo de violência, porém "Violência gera violência". É o caso de muitos médicos do INSS que violentam os pacientes/segurados no âmago do seu ser: a auto-estima, o amor próprio. Paulo Cardoso

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 13/01/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.