Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Livre escolha

MJ não explica deportação de boxeadores cubanos

Os dois boxeadores cubanos Erislandy Lara e Guillermo Rigondeaux , que ficaram conhecidos ao abandonar a delegação cubana durante os Jogos Pan-Americanos no Brasil, fugiram de Cuba mais uma vez, nesta semana. Foram para Miami, nos Estados Unidos, onde estão na condição de refugiados.

Em 2007, depois de terem abandonado a delegação cubana que participava dos Jogos Pan Americanos no Rio de Janeiro, foram presos e deportados para Cuba. Na ocasião, o Ministério da Justiça explicou que os dois queriam voltar para a ilha. O governo de Fidel Castro, que havia prometido não puni-los. As duas afirmações eram falsas, como comprova a nova fuga dos pugilistas. Agora, depois de eles abandonarem Cuba mais uma vez, o Ministério da Justiça explicou à Consultor Jurídico que os boxeadores não ficaram no Brasil simplesmente porque não pediram. O que também soa falso.

É mais fácil acreditar nos proprios boxeadores que, já refugiados nos Estados Unidos,  afirmam que não queriam ter saído do Brasil. Eles dizem que querem visitar o país para lutar e não guardam mágoa. “Sinceramente, até hoje não entendi o que ocorreu e por que voltamos a Cuba”, disse Lara em entrevista ao Estado de S. Paulo. 

Para dizer que não há perseguição, o Ministério da Justiça, dirigido hoje por um especialista em conceder refúgio a estrangeiros,  cita ainda o caso de três músicos cubanos que se recusavam a voltar para Havana em 2007 e conseguiram refúgio no Brasil. O trio integrava a banda Los Galanes, que fazia uma excursão em Pernambuco. Os três fugiram da pousada onde estavam hospedados.

Rigondeaux, de 27 anos, é campeão mundial e olímpico da categoria 54 quilos. Ele deve ser contratado pela empresa alemã Arena Box Promotion. “Queremos que Rigondeaux faça parte da Arena Box e vamos dar todo o apoio para que cumpra seu sonho de ser campeão mundial profissional”, afirmou a empresa.

Lara conta que usou uma lancha em uma praia afastada no meio da noite no final do ano passado e conseguiu chegar ao México. Rigondeaux também usou o México como plataforma para depois atingir Miami, no último domingo (22/2). Os dois pugilistas foram incentivados pela empresa alemã.

A empresa admite que aposta suas fichas neles. “Rigondeaux e Lara serão campeões”, diz o empresário Luís de Cubas, representante da Arena Box. Em sua primeira luta nos Estados Unidos, em 9 de janeiro, Lara venceu por nocaute.

Entusiasmado com sua nova vida, Lara adotou discurso contra o regime de Havana. “Há tantos problemas em Cuba que eu não poderia começar a explicá-los. Em primeiro lugar, não há comida. As pessoas sofrem muito”, afirma.

Farah Colina, mulher de Rigondeaux, afirmou que o marido fugiu por não ter mais chance de voltar ao esporte. “Tinha o anseio, a esperança de que lhe dessem uma nova oportunidade e era isso o que estava esperando, mas nada lhe disseram”, declarou Farah em um encontro com jornalistas em sua casa em Havana. Rigondeaux fugiu acompanhado de outros três pugilistas que poderiam ser Judel Johnson, Yordanis Despaigne e Yudier Dorticós.

Outro caso envolvendo deserções de atletas cubanos aconteceu em março de 2008, quando cinco jogadores da seleção de futebol masculina que disputavam o Pré-Olímpico da Concacaf ficaram nos Estados Unidos.

Revista Consultor Jurídico, 28 de fevereiro de 2009, 9h55

Comentários de leitores

9 comentários

A verdade.....

Quintela (Engenheiro)

Para desepero dos reacionários de carteirinha, hoje pela manhã vi, no Globo Esporte, uma reportagem onde os cubanos dizem que não queriam ficar no Brasil.
A empreitada deles, fugirem para Alemanha, havia falhado. Não queriam receber asilo politico no Brasil.
Na reportagem do Esporte spetacular o boxeador explica que não fugiu porque tudo deu errado, os empresários alemães se mandaram.
Diz que conversou com Lula, e que ele próprio ofereceu ajuda e perguntou se gostariam de ficar no Brasil. E os boxeadores disseram que preferiam voltar a Cuba.
O governo cubano havia sinlizado que eles retornando voltariam a lutar.
O governo deportou-os como fugitivos do seu país.
E agora arautos da democracia e do estado de direito?
Tarso Genro mentiu? Ou mais uma vez a presunção da inocencia é atropelada onde o estado de direito é para poucos. Pros amigos.
Ai o video
http://video.globo.com/Videos/Player/Esportes/0,,GIM974527-7824-EXCLUSIVO+BOXEADOR+CUBANO+REVELA+DETALHES+DA+SUA+FUGA,00.html

O Governo não é o Estado

Ramiro. (Advogado Autônomo)

Alguém deveria lembrar ao nosso Ministro da Justiça que o Governo não é o Estado, o Governo é eleito, transitório, mas no Estado Democrático de Direito há a alternância de poder.
Engraçado ver o PT com perfil eleitoral do antigo PFL, um partido de bases essencialmente no Nordeste em rincões mais atrasados do Interior, a igual modo do Partido Republicano dos EUA, visto que G. W. Bush bateu recordes de popularidade, e saiu como saiu, e o partido desse hoje se tornou um partido rural.
O PT ao assumir o poder se torna cada vez mais um partido com maioria no Nordeste, escorado no "bolsa esmola", perdeu a característica de partido antes urbano.

Essas maiorias, história de boitatatá

Ramiro. (Advogado Autônomo)

Essa história de maiorias dos Institutos de Pesquisa de Opinião, quem se lembra da última eleição que dava a fatura fechada no primeiro turno com imensa e larga maioria? Lula se reelegeu por méritos, inclusive que a estratégia da oposição foi risível.
Opinião pública? Maioria? Estamos falando de um César de Hospício, sem o apoio das legiões? Provavelmente sim, pois fosse possível ter apoio da força bruta e nem teríamos eleições em 2010.
No mais particularmente já estou acostumado com as "maiorias" dos "movimentos sociais", inclusive, não cabe e nem é lícito explicitar aqui fato que está sob investigação, mas suposta prova de maoioria esmagadora virou agora, em algum lugar, inquérito por falsidade ideológica. Bastou suscitar às autoridades competentes que se examinasse a veracidade intelectual da prova de maioria, e então danou-se, virou inquérito.
Há situações em que pessoas conseguem ridicularizar além de qualquer limite antes conhecido inclusive a mentira.
Daqui a pouco falarão de uma conspiração envolvendo Itália e EUA contra o Presidente Lula, visto que por outro caso de o Brasil violar o Direito Internacional, estão preparando manifestações nas passagens do Presidente do Brasil por Washington D.C.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 08/03/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.