Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Relação de tumulto

Litisconsorte pode ser afastado se retarda ação

Entrada de litisconsorte em processo baseado no Código de Defesa do Consumidor pode ser afastada se apenas tumultua e retarda o desfecho da ação. Com esse entendimento, a 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça negou o Recurso Especial do banco Itaú em processo que discute pedido de indenização por causa do desvio de um talão de cheques.

A ação teve início com o extravio de um talão de cheques de uma correntista de São Paulo em virtude de roubo. Como teve o nome inscrito em cadastro de inadimplentes após o fato, ela entrou na Justiça com ação de indenização por danos morais contra o banco.

Em sua defesa, o Itaú afirmou que a empresa de entregas Transpev Express Ltda. deveria integrar o processo, pois o roubo deveu-se a ato culposo da transportadora, não do banco. O banco foi condenado, no entanto, a pagar R$ 5 mil de indenização por danos morais.

Em embargos de declaração da Transpev, o Tribunal de Justiça de São Paulo afirmou que não cabe denunciação da lide (chamar o terceiro denunciado que mantém um vínculo de direito com a parte denunciante para vir responder pela garantia) em ações judiciais fundadas no Código de Defesa do Consumidor. Acolheu em parte os embargos, com efeitos modificativos, apenas para pronunciar a extinção, sem julgamento do mérito, da relação jurídico-processual formada entre denunciante e denunciada.

No recurso para o STJ, o banco alegou que a decisão violou os artigos 88 do Código de Defesa do Consumidor e 70, III, do Código de Processo Civil. Sustentou ser admissível, na hipótese, a denunciação da lide, uma vez que a responsabilidade pelo alegado dano moral é da empresa entregadora.

Ainda segundo a defesa do banco, tanto a instituição financeira quanto a empresa contratada são prestadoras de serviço. Assim, para a defesa, há relação consumerista entre elas e entre o banco e a cliente. Porém, tais vínculos estão previstos no artigo 14 do diploma legal, que não veda a denunciação na hipótese. Para a instituição, pode ocorrer a denunciação no caso de prestação de serviço, baseando-se na conjugação, que faz, das disposições do artigo 88 com o artigo 14 da Lei 8.078/90, distinguindo a situação do artigo 13.

A 4ª Turma, por unanimidade, não conheceu do Recurso Especial do banco. “O contrato foi celebrado entre a recorrida [correntista] e o recorrente, banco Itaú S/A, de sorte que a discussão sobre a responsabilidade de uma segunda empresa, esta sim, contratada pelo réu, é estranha ao direito discutido e somente iria retardar a demanda em favor da autora”, considerou o relator, ministro Aldir Passarinho Junior.

O ministro ressaltou, no entanto, que é possível ao banco buscar na Justiça ressarcimento da Transpev. “O que se faz é ressalvar eventual direito de regresso do réu contra a transportadora terceirizada”, concluiu.

Com informações da Assessoria de Comunicação do STJ.

Revista Consultor Jurídico, 25 de fevereiro de 2009, 11h33

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/03/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.