Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Convocação extraordinária

MPF é a favor de ação contra FHC por gastos no Congresso

Por 

A Procuradoria Regional da República da 1ª Região, em Brasília, é a favor da ação popular ajuizada contra convocação extraordinária do Congresso Nacional pelo então presidente, Fernando Henrique Cardoso, para a análise de 75 Medidas Provisórias. A convocação custou aos cofres públicos R$ 9,5 milhões. O parecer sobre o tema foi dado, nesta quinta-feira (12/2), ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

Tudo começou quando o advogado Ricardo Luiz Rocha Cubas entrou com uma ação popular contra Fernando Henrique Cardoso e todos os deputados e senadores dos últimos quatro anos de mandato de FHC.

O MPF informa que o autor da ação “questionava a moralidade da convocação que pretendia analisar 75 medidas provisórias em 17 dias, sendo que só foram apreciadas três”. Ricardo Cubas contestou também, prossegue o MPF, a eficiência da convocação, “já que essa ocorreu em época de eleições das mesas diretoras das casas do Congresso, período conhecido pela diminuição do ritmo de trabalho do Legislativo”.

Depois de analisar a ação popular, o juiz federal da 2ª  Vara Federal do Distrito Federal determinou que o autor comprovasse ser advogado, um dos requisitos para a entrada da ação. O autor apresentou as certidões exigidas. O juiz não aceitou, sob o fundamento de impedimento porque o autor era servidor da Fazenda Pública Federal.

O advogado Ricardo Luiz Rocha Cubas recorreu. A ação subiu para o TRF-1, em 6 de junho de 2001. Durante quase oito anos, o processo passou por três desembargadores e teve vários pedidos de juntada de documentos até a abertura de vista ao Ministério Público Federal.

A Procuradoria pede a revisão da sentença sob o argumento de que o objetivo da ação popular era defender o patrimônio público. “Sendo assim defende-se também os interesses da Fazenda Pública Federal, pagadora do autor da ação, o que evidencia que Ricardo Cubas não estaria impedido de ajuizar a ação popular”, alega o MPF. O outro argumento é o de que “não houve a publicação de editais, nem abertura de vista ao MPF em primeira instância, para que este pudesse encampar  a ação e muito menos a chance de o autor popular corrigir a representação processual”.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 12 de fevereiro de 2009, 15h34

Comentários de leitores

3 comentários

Quem vai qustionar os gastos do Lula?

Marco (Engenheiro)

Resposta ao Almeida Santos: Você.

Gastos, afinal de quem são??

Almeida Santos (Bacharel - Trabalhista)

O MP é a favor de uma ação contra FHC com relação aos gastos escessivos. Acho correto até demais. Todos que brincam com o dinheiro público devem sofre sanções relacionados ao fato. Pergunto eu agora, quem vai questionar os gastos de nosso atual presidente relativos as viagens e viagens feitas nos últimos 6 anos, ou ainda a aquisição de uma vião rodeado de luxo ou mais, a reforma de gabinetes, salas, jardins e outras "coisinhas mais" durante todo este período!!!!! Ele brinca no discurso dizendo que "vai cortar o baton de Dilma ..... mas o dinehrio para o PAC este não será cortado ....." e o personal isto e aquilo que cerca a pessoa dele, quem vai acompanhar os gastos e contabilizar para prestar contas ao povo?? Creio que jogar pedras na vidraça dos outros é comodo por demais, vamos vê quando as pedras passam a atingir nossas cabeças, como é que vamos nos comportar.
Creio que para se criticar o governo FHC de qualquer coisa, devemos olhar embaixo do tapete a sujeira que lá se encontra (Mensalão, bolsão, e tudo no "ão" vale resaltar).

O MPF é suficiente corajoso para cobrar do Senado votar...

Ramiro. (Advogado Autônomo)

Será que o MPF é tão suficientemente corajoso e ciente de que é uma instituição totalmente correta, ao ponto de exigir que o Senado vote o processo nº 011983/08-6 e se encontra na Advocacia do Senado Federal desde a primeira quinzena de outubro de 2008? Isso seria bom para acabar com a imprensão que outros veículos publicaram que o Senado está gostando de ter amarrado o rabo do MPF. Se é inepto, é fácil, basta fundamentar a inépcia. Se tem de seguir adiante, preocupa o MPF?

Comentários encerrados em 20/02/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.