Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Primeira vez

Policial brasileiro vai trabalhar na sede da Interpol

O Brasil, pela primeira vez, irá ceder um policial federal para trabalhar na sede da Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal), em Lyon, na França. O assunto será discutido em uma reunião entre o ministro da Justiça, Tarso Genro, e o secretário-geral do órgão, Robert Nobel, na sexta-feira (13/2).

Segundo nota do Ministério da Justiça, a iniciativa é comum entre os países membros da Interpol, que integra policiais de todo o mundo no combate a crimes transnacionais, como tráfico de drogas, contrabando e lavagem de dinheiro. O ministro da Justiça espera agilizar a troca de informações com autoridades brasileiras responsáveis por investigações no exterior e com um agente brasileiro em Lyon isso será possível.

Acompanhado do diretor-geral da PF, Luiz Fernando Corrêa, Genro visita a Europa a partir de quarta-feira (11/2). O primeiro lugar será Paris, onde encontrará o adido policial Augusto César Pinto e o embaixador José Bustani. O delegado César Pinto vai fazer parte de um projeto-piloto na região e com tempo deve passar a atuar em boa parte do continente.

Ainda em Paris, Genro se encontrará separadamente com Rachida Dati, e da Imigração, Brice Hortefeux - neste segundo encontro para tratar da entrada ilegal de brasileiros na Guiana, Departamento que pertence à França.

No dia 16 (depois da visita a Lyon), o ministro estará em Oslo, na Noruega, como convidado da abertura da 19ª Conferência da Academia da Latinidade. Criada em 2000, no Rio de Janeiro, a entidade vai discutir a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

No dia 17, Tarso abre em Madri o seminário internacional “Educação em Prisões”. E terá reuniões com os ministros da Justiça da Espanha, Fernando Bermejo, e de Portugal, Alberto Costa, para discutir um acordo futuro entre os países ibero-americanos destinado a simplificar os processos de extradição, especialmente na redução do tempo de apreciação dos processos contra organizações criminosas.

Revista Consultor Jurídico, 10 de fevereiro de 2009, 12h58

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 18/02/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.