Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Reação continental

Parlamento Europeu irá analisar caso Cesare Battisti

Parlamento Europeu - por Parlamento EuropeuCom 104 votos a favor e 49 contra, o Parlamento Europeu aprovou nesta segunda-feira (2/2) a proposta de discutir o caso do ex-militante comunista Cesare Battisti, que ganhou refúgio político no Brasil — assinado pelo ministro da Justiça, Tarso Genro. No Supremo Tribunal Federal tramita um pedido de extradição feito pelo governo da Itália.

O caso será analisado na quinta-feira (5/2) pelos deputados europeus em Estrasburgo, no leste da França. Segundo a agência Ansa, o pedido foi feito pelo ministro italiano das Relações Exteriores, Franco Frattini, que solicitou o "apoio político" da União Europeia à tentativa de obter a extradição de Battisti, condenado à prisão perpétua por quatro homicídios ocorridos na década de 1970.

Em nota, a deputada italiana Roberta Angelilli, que compõe a bancada da União pela Europa das Nações (UEN), no Parlamento Europeu, comemorou o fato de que as instituições europeias "não ignoraram o apelo lançado pelos mais altos cargos" políticos da Itália. Com apoio da bancada, o Parlamento concordou em substituir o debate sobre a situação dos direitos humanos nas Filipinas pelo caso de Battisti.

No último dia 29, a Comissão Europeia — instância executiva da EU — descartou interferência no caso, alegando "não ter competência para intervir na questão bilateral entre Brasil e Itália". Battisti já teve um recurso negado pela Corte Europeia de Direitos Humanos.

Cesare Battisti está preso desde 2007 no Brasil. No último dia 13, Tarso Genro concedeu a ele o refúgio político, o que desencadeou fortes reações de políticos italianos — incluindo o primeiro-ministro Silvio Berlusconi. O governo brasileiro, no entanto, tem dado apoio à decisão de Tarso.

Até o embaixador da Itália no Brasil, Michele Valensine, foi convocado no dia 27 de janeiro para consultas em seu país. De acordo com nota divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores da Itália, o diploma volta ao Brasil “para acompanhar de perto e particularmente os próximos desenvolvimentos judiciários do caso Battsti”.

Na semana passada, em Roma, o embaixador se encontrou com a cúpula do Ministério das Relações Exteriores para esclarecer as chances de reversão da decisão de Tarso.

Na segunda-feira (2/2), o ministro Gilmar Mendes, presidente do Supremo, afirmou que o tribunal deve analisar o caso até março.

[foto: Parlamento Europeu]

Revista Consultor Jurídico, 3 de fevereiro de 2009, 14h51

Comentários de leitores

2 comentários

E o que pega mal é que a Itália já sabe de mais

Ramiro. (Advogado Autônomo)

O que pega mal, se a carta registrada foi entregue na Embaixada, o Governo da Itália então já sabe do Processo no Senado nº. nº 011983/08-6 e se encontra na Advocacia do Senado Federal por determinação do antecessor Presidente do Senado Federal.
Um pedido de impeachment de um Procurador-Geral da República que desde outubro bóia num limbo, cheio de documentos. E me pergunto, se fosse inepto, por que o Senado já não o tinha arquivado?
Este processo em questão no Senado, as evidências demonstram que em Direitos Humanos o Brasil está mal em tentar querer ensinar algo à Itália sobre cerceamento de Direito de Defesa, e não faltam provas documentais.

A "Confraria" dos Bandidos ! ! !

A.G. Moreira (Consultor)

Aos poucos, o Brasil vai pagando um custo altíssimo, pelo "loby" internacional e pela "solidariedade" dos bandidos ! ! !
O povo italiano, jamais faria, qualquer sacrifício, por bandido italiano e muito menos por bandido do Brasil ! ! !

Comentários encerrados em 11/02/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.