Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Volta ao trabalho

STF começa 2009 com assuntos polêmicos na pauta

Os ministros do Supremo Tribunal Federal voltam do recesso do Judiciário com uma pauta repleta de assuntos polêmicos. O primeiro item da pauta, na sessão de julgamento da segunda-feira (2/2), é a Proposta de Súmula Vinculante 1, que trata do acesso de advogados a inquéritos policiais sigilosos. Na primeira semana de fevereiro, também serão discutidos o acesso a informações bancárias pela Receita Federal e a execução de penas antes do trânsito em julgado dos processos.

A Ação Cautelar 33 discute se são constitucionais dispositivos da Lei 10.174/01, da Lei Complementar 105/01 e do Decreto 3724/01, que permitem a requisição de informações bancárias pela Receita Federal, diretamente às instituições financeiras. Pelos dispositivos, as informações podem ser usadas para a instauração de procedimento administrativo fiscal.

Em decisão liminar, o ministro Marco Aurélio afirmou que o inciso XII do artigo 5º da Constituição estabelece que é inviolável o sigilo das pessoas salvo, e em último caso, quando houver ordem judicial. Com isso, livrou uma empresa da quebra de sigilo pretendida pela Receita Federal. No pleno, o ministro Cezar Peluso acompanhou o relator. Já os ministros Joaquim Barbosa e Carlos Ayres Britto negaram o pedido. O julgamento foi interrompido pelo pedido de vista do ministro Gilmar Mendes, que deve apresentar seu voto.

Os processos em que se discute a tributação em operações de arrendamento mercantil (leasing) também entram na pauta. Os Recursos Extraordinários 547.245 e 592.905, relatados pelo ministro Eros Grau, discutem se a cobrança de ISS (Imposto sobre Serviços) sobre as operações de leasing é constitucional. Já o RE 226.899, relatado pela ministra Ellen Gracie, vai discutir a a cobrança de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre importação de aeronaves sobre regime de leasing.

O Supremo também vai julgar as Ações Cautelares, propostas pelo Mato Grosso e pelo Paraná para que seus registros sejam excluídos do Siafi (Sistema Integrado de Administração Financeira). Com o nome no Siafi, o estado-membro é impedido de conseguir empréstimos e repasses financeiros. A liminar na Ação Cautelar 2.200, do Mato Grosso, foi deferida pela ministra Cármen Lúcia, e agora deve ser referendada pelo Pleno. Já a AC 2.090, do Paraná, teve liminar deferida pelo ministro presidente, durante o recesso de julho de 2007. A União recorreu dessa decisão, por meio de agravo regimental que deve ser analisado, agora, pelo colegiado.

Matéria penal

O Supremo também vai avaliar a PSV 1, em que a Ordem dos Advogados do Brasil pede aos ministros que defina que os advogados de investigados podem ter acesso a inquéritos policiais contra seus clientes, ainda que estes tramitem em sigilo. O relator do pedido é o ministro Carlos Alberto Menezes Direito.

A execução provisória da pena volta a ser debatida pelos ministros. Sobre o tema, estão na pauta de quinta-feira seis Habeas Corpus - HCs 91.676, 92.578 e 92.933. O relator é o ministro Ricardo Lewandowski. O HC 93.172, relatado pela ministra Cármen Lúcia, e o HC 84.078, que já começou a ser julgado pelo Plenário, também estão na pauta. No caso do último HC, o ministro Eros Grau votou pela concessão da ordem, entendendo que o condenado, no caso, podia aguardar em liberdade até que não houvessem mais recursos pendentes. O julgamento foi interrompido por um pedido de vista do ministro Menezes Direito.

Os ministros também vão concluir se recebem denúncia contra o senador Valdir Raupp (PMDB-RO), no Inquérito 2.027, pela suposta prática de crimes contra o Sistema Financeiro Nacional. O senador é acusado de ter usado recursos de financiamento do BIRD para fins diferentes do previsto no convênio, quando governou o estado de Rondônia.

O ministro Joaquim Barbosa votou pelo recebimento da denúncia e foi acompanhado pela ministra Cármen Lúcia e pelos ministros Ricardo Lewandowski, Eros Grau, Carlos Ayres Britto e Cezar Peluso. O julgamento foi interrompido por um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes.

Revista Consultor Jurídico, 1 de fevereiro de 2009, 9h17

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 09/02/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.