Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Transporte a MST

Ex-prefeito responde por uso indevido de bem público

A 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça acatou a denúncia contra o ex-prefeito de Itaúna do Sul (PR), Pedro Castanhari, por uso indevido de bens públicos. A decisão reformou entendimento do Tribunal de Justiça do Paraná, que havia rejeitado a acusação.

O Ministério Público ofereceu denúncia contra o então prefeito por ter utilizado indevidamente, em proveito alheio, bem público. Em outubro de 1999, ocorreu invasão a uma fazenda do município e durante as negociações, testemunhas presenciaram a entrada de um ônibus escolar com o emblema da prefeitura transportando integrantes do Movimento Sem-Terra. Com o mesmo propósito também foram vistos Kombis e caminhões basculantes pertencentes à prefeitura.

À época, o ex-prefeito alegou que a denúncia do MP era inepta já que não era possível identificar os veículos que supostamente teriam sido usados para o transporte de integrantes do MST. A defesa ressaltou, ainda, que os ônibus do município eram exclusivamente usados para transporte de escolares devidamente identificados como exige o Código de Trânsito Brasileiro. O mesmo caberia a outros veículos que eram apenas usados em suas devidas funções.

O Tribunal de Justiça do Paraná rejeitou a denúncia do MP com base nos fundamentos apresentados pela defesa. O TJ-PR entendeu que a denúncia não descrevia todas as circunstâncias relevantes para a apuração do fato em tese e, por isso, dificultava o exercício do direito de defesa do denunciado.

O Ministério Público apelou ao tribunal. Alegou que, além de divergências, violação dos artigos 41 e 43 do Código de Processo Penal, não se justifica o trancamento de ação penal, notadamente se o fato narrado na denúncia constitui, em princípio, crime, sendo suficiente a simples possibilidade de procedência da ação penal. Segundo o MP, apesar de não se saber a placa ou chassi dos veículos, não se pode afirmar a ineficácia das provas e a inexistência do crime e indícios de sua autoria.

O ministro Og Fernandes do STJ acentuou que o entendimento da Corte, em caso de eventual inépcia da denúncia, só pode ser acolhida quando demonstrada inequívoca deficiência a impedir a compreensão da acusação ou na ocorrência de qualquer das falhas apontadas no artigo 43 do CPP. O ministro ressaltou que, de fato, a denúncia não oferecia de forma detalhada todas as características dos veículos e seus condutores, entretanto, afastou a inépcia da denúncia visto que a imputação obedeceu ao disposto no artigo 41 do CPP. O relator esclareceu que, ao contrário do que diz a defesa, a exposição dos fatos pelo MP assegura ao denunciado o exercício da ampla defesa e que a denúncia descreve de maneira “suficiente” a prática dos crimes de responsabilidade. Com informações da Assessoria de Imprensa do Superior Tribunal de Justiça.

Revista Consultor Jurídico, 28 de dezembro de 2009, 13h33

Comentários de leitores

1 comentário

Mau uso de bem público

Zerlottini (Outros)

É pena que isso seja mais exceção que a regra. Um político responder por mau uso do bem público - é o que eles fazem de "melhor": meter a mão, "de com força", no que não é deles.
Há que se fazer disso a REGRA e não a exceção.
Francisco Alexandre Zerlottini. BH/MG.

Comentários encerrados em 05/01/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.