Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Corpo ferido

Brasileira diz não se lembrar de ter confessado crime

A advogada brasileira Paula Oliveira, que responde a processo na Justiça suíça por supostamente ter inventado um ataque de grupos neonazistas contra ela, disse à juíza Eleonora Lichti que não se lembra de ter falado aos policiais que havia forjado o ataque. "Não consigo me lembrar de nada", afirmou. As informações são do portal UOL.

Ao responder a pergunta da juíza sobre o suposto ataque, a brasileira disse: "Essa é a verdade que está guardada na minha memória". A advogada afirmou que estava em estado de choque, queria fugir do assédio da mídia e que os policiais, na ocasião do depoimento, garantiram que tudo acabaria mais rápido se ela fizesse uma confissão.

A advogada, que vivia legalmente no país, disse à polícia ter sido vítima de um ataque xenófobo feito por um grupo de neonazistas, em fevereiro deste ano, no banheiro de uma estação de trêm, nos arredores de Zurique. A brasileira disse que estava grávida e que havia perdido gêmeos quando os agressores marcaram, à faca, na barriga e nas pernas, as iniciais "SVP", siglas de um partido de extrema direita suíço. 

A versão passou a ser contestada depois de exames ginecológicos atestarem que ela não estava grávida. O incidente causou comoção não apenas no Brasil, mas também na Suíça. O SVP teria pedido a expulsão da brasileira do país.

A Promotoria não pediu pena de prisão, mas quer que a advogada seja punida com uma multa em dinheiro. Ela é acusada de se auto-mutilar  e de ter dado apresentado acusação falsa à polícia, sobre o suposto atauqe neonazista.

O advogado de Paula, Roger Müller, divulgou há dois meses um comunicado informando que "Paula não reconhece a acusação formulada pela Procuradoria Superior do Ministério Público do Cantão de Zurique". Ele diz que sua cliente é inocente.

A defesa alega, ainda, que a brasileira sofre de problemas mentais. Ela chegou a ser internada em uma clínica psiquiátrica em Zurique, após o incidente. Mas para o veredicto, o tribunal levará em consideração somente o estado mental de Paula no momento do suposto ataque. A defesa anunciou que vai levar à Justiça outras provas a favor da versão de Paula.

O caso chegou a criar tensão diplomática entre o Brasil e a Suíça.

Revista Consultor Jurídico, 16 de dezembro de 2009, 15h29

Comentários de leitores

1 comentário

Não se lembra???

Roland Freisler (Advogado Autônomo)

Não se lembra.... aprendeu rapidamente com o nosso supremo apedeuta.

Comentários encerrados em 24/12/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.