Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Preço do sofrimento

Estudante da Uniban quer R$ 1 milhão por dano

A estudante de turismo Geisy Arruda, hostilizada por alunos na Universidade Bandeirantes (Uniban), onde estuda, entrou com um processo contra a entidade. Os advogados pedem que a universidade seja condenada a pagar R$ 1 milhão por danos morais para Geisy. As informações são do Estadão.

"O valor tem caráter pedagógico. Se pedíssemos R$ 20 ou 30 mil à Uniban, esse dinheiro nem faria 'cócegas no bolso' da instituição, que não aprenderia com esse processo deplorável", disse o advogado da aluna, Nehemias Domingos de Melo. O processo foi protocolado na 9ª Vara Cível de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista.

Segundo o advogado, a aluna não pôde voltar à aula até o momento, por "falta de segurança e interesse da instituição", e teve negado o abono das faltas. "Se a universidade não abonar as faltas, como já negou em requerimento feito por mim, ela provavelmente vai perder o ano letivo. Tive de entrar com uma medida de urgência, pedindo ao juiz Rodrigo Borga Campos, que autorize que ela faça as provas, em caráter especial, em janeiro, além de conceder o abono das faltas."

Na próxima segunda-feira (14/12), os seguranças da Uniban serão ouvidos na 2ª Delegacia de Proteção à Mulher de São Bernardo. No dia 27 de novembro, em comunicado, os advogados da estudante disseram que um segurança da universidade repreendeu a aluna quando já estava formado um tumulto por causa do vestido que ela usou para ir à faculdade. "Um segurança bateu boca com a Geisy na sala de aula e ficou dando lição de moral. Assim, ele acirrou ainda mais o ânimo dos estudantes, ao invés de apaziguar", afirma Nehemias.

No dia 22 de outubro, a estudante foi hostilizada pelos colegas dentro da universidade em São Bernardo do Campo, no Grande ABC paulista. O motivo seria o uso um vestido curto para ir à aula. No dia 5 de novembro, a Uniban divulgou a expulsão da aluna em comunicado em jornais de grande circulação de São Paulo. Os advogados disseram que a aluna ficou sabendo que estava expulsa pelos jornais. No dia 7, a universidade voltou atrás e revogou a expulsão.

Revista Consultor Jurídico, 11 de dezembro de 2009, 21h06

Comentários de leitores

13 comentários

Repartir os lucros

MFG (Engenheiro)

A UniBan deveria pagar este 1 milhão sim, porém deveria também cobrar da moçoila tudo aquilo que está recebendo e irá receber por toda esta publicidade.
Estão dando muita atenção para um evento tão rídículo como este e outros querendo enriquecer facilmente.

locupletamento ilícito

Vander (Outros)

A moral da universitária foi tão abalada que a dita nem sai de casa, coitadinha! Eu tenho muito dó dessa pequena! Outro dia apareceu na televisão, foi no shooping center testar a popularidade, tirou fotos e deu autógrafos. O vestido dela não era curto originariamengte, é que quando ela lavou, encolheu, e ela não tinha outra muda pra ir na faculdade. É claro que a Uniban terá de indenizá-la, mas no tamanho da lesão sofrida. Como mensurar isso, que seria pela moral do homem médio? será que o homem médio, ou no caso a mulher média botaria um vestido daqueles pra ir na faculdade? Ela deu causa à lesão? Não tem jeito, os desembargadores terão que medir o vestido, pra saber se a moral estava vestida ou desvestida.

Vai ganhar. Nao 1 milhão

Carlos (Advogado Sócio de Escritório)

Evidente que se pegar pela frente um BOM juiz e uma BOA turma de desembargadores (raridade...) vai ganhar a AÇÃO, mas não 1 milhão. Ficou claro para todos (ou melhor, para a maioria absoluta) que houve dano moral. O problema é que muitos magistrados acham que quem tem moral é só eles. rsss

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 19/12/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.