Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Execuções extrajudiciais

Relatório diz polícias de SP e RJ são as mais violentas

A cada 23 pessoas presas, uma é morta pela polícia do Rio de Janeiro. Já em São Paulo, há uma vítima para cada 348 presos. Nos Estados Unidos, é preciso prender mais de 37 mil suspeitos para que haja uma morte. Os números foram divulgados pelo relatório da organização não governamental Human Rights Watch. Segundo a entidade, a maior causa dos altos índices é pelo fato de que muitos homicídios cometidos pelas polícias brasileiras, relatados como legítima defesa, são, na verdade, execuções extrajudiciais. A informação é da Agência Brasil.

Os dados divulgados pela organização contradizem pelo menos 51 dos mais de 11 mil casos registrados como auto de resistência seguido de morte pelos policiais, desde 2003. Em 33 casos, técnicas forenses vão contra as versões oficiais para os homicídios e em 17 mostram que a vítima recebeu um tiro à queima-roupa. O documento “Força Letal: Violência Policial e Segurança Pública no Rio de Janeiro e em São Paulo” também mostra que as polícias dos dois estados estão entre as que mais matam em todo mundo.

“Os policiais são autorizados a usar a força letal como o último recurso para se protegerem ou protegerem outros. Mas a noção de que esses homicídios seriam cometidos em legítima defesa ou seriam justificados pelos altos índices de criminalidade é insustentável”, afirmou o diretor da divisão das Américas da ONG, José Miguel Vivanco. Segundo a Human Rights, as polícias do Rio de Janeiro e de São Paulo matam juntas mais de mil pessoas por ano em supostos confrontos.

Embora os números não estejam contabilizados, o relatório também chama atenção para as mortes cometidas por policiais fora do expediente, “frequentemente quando agem como membros de milícia no Rio ou em grupos de extermínio em São Paulo”. A causa dos extermínios extrajudiciais, aponta o documento, são os sistemas de justiça penal nos dois estados que dependem de membros das próprias corporações para investigar as circunstâncias dos autos de resistência e que não conseguem responsabilizar os policiais por assassinato.

“Enquanto couber às polícias investigar a si mesmas, essas execuções continuarão. E os esforços legítimos de combater a violência serão enfraquecidos”, completa Vivanco. Elaborado com dados coletados em dois anos de pesquisa, o relatório traz entrevistas com cerca de 40 autoridades da Justiça criminal como promotores e procuradores, que também avaliam que as execuções extrajudicias nos dois estados são um problema generalizado.

Ao ser questionado sobre os dados da Human Rights, o secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, desqualificou a pesquisa da ONG taxando-a de “ideológica”. E justificou o elevado número de mortes cometidas em confronto, explicando que no estado três facções criminosas, fortemente armadas, brigam pelo controle do tráfico de drogas.

“Acho que essas instituições [como a Human Rights] não gostam de ouvir que aqui temos três facções criminosas, temos ideologia de facções e territórios armados sustentados por armas de guerras", disse Beltrame, após assinatura de convênio para integração de bancos de dados da área de segurança, na sede da secretaria.

Especialistas sugerem fiscalização
O desafio de conter a violência policial nos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo passa por melhorias na estrutura da Justiça criminal e também pela valorização da vida. A avaliação é do cientista social Paulo Jorge Ribeiro, professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, que comentou o relatório da Human Rights Watch nesta terça-feira (8/12).

“Todos têm direito à vida. Não importa quem seja. A vida é um bem e não um direito”, afirmou. “A letalidade não pode ser vista como necessária. É fundamental que os controladores sejam controlados, que as instituições que visam a punição e a prisão [de policiais] também sejam vigiadas por seus pares ou pela sociedade civil.”

No âmbito da punição dos agentes policiais, Ribeiro avalia que é preciso reformular as corregedoria e ouvidorias. “Os policiais cortam na própria carne, mas não como deveriam, porque não há a possibilidade de terem uma carreira autônoma. Se o policial começar a punir demais seus pares, automaticamente será isolado”.

O relatório da ONG internacional de defesa dos direitos humanos também aponta saídas para os crimes cometidos por policiais, como a notificação imediata ao Ministério Público do ocorrido e um reforço no sistema criminal para que os agentes sejam punidos, quando for o caso.

Revista Consultor Jurídico, 8 de dezembro de 2009, 21h45

Comentários de leitores

5 comentários

Ô relatório fajuto!!!

Zerlottini (Outros)

Se estiver certo, tá muito pouco. 1 em cada 23 é MUITO POUCO. Deviam ser, pelo menos, 20 em 23. Era uma porrada de vagabundos a menos, nesta pátria amada, abandonada, salve, salve. Ainda ontem, eu vi na TV que uma criança foi liberada de um cativeiro, pois havia sido sequestrada - e duas pessoas foram PRESAS!!!

JÁ IA ME ESQUECENDO...

Luiz Pereira Carlos (Técnico de Informática)

É a que mais mata e a que MAIS MORRE TAMBEM !!!, não só de tiro como de fome, de falta de assistencia médica, de salario minguante, falta de moradia, de escola pra seus filhos, de lazer produtivo e de qualidade, num pais onde lazer é bebe cerveja no botequim da esquina, falta de qualificação profissional, etc...etc...etc...

COMPARAÇÃO SEM NEXO...

Luiz Pereira Carlos (Técnico de Informática)

Para fazer uma comparação dessa, que soa como uma acusação a supostos assassinos, é uma enorme covardia e injustiça com a policia.
*
Primeiramente é preciso antes de comparar saber porque mata mais ou menos, saber que o exemplo do PODER JUDIDCIAO, e dos demais poderes desta republica de assassinos é o exemplo da impunidade e da permissividade, que compactua com os criminosos serial killer do próprio PODER PUBLICO ESTATAL.
*
Nenhuma policia, nenhum comando Vermelho, PCC, ADA, etc., mata mais dioturnamente que os PODERES JUDICIARIO, LEGISLATIVO E EXECUTIVO juntos coniventes e misturados.
*
O campeão é sem duvida o PODER JUDICIARIO por ser esse o responsavle direto do ESTADO DEMOCRATICO DE DIREITO, matam nas cadeia por super lotação, por não recuperação dos presos, matam nas sentenças e absolvições equivocadas, é uma verdadeira carnificina togada. O Executivo faz e cria as normas que bem entende, o legislativo cria leis sem a minima supervisão deste poder judiciario, em fim é um caos.
*
Depois de tudo, vamos jogar em cima da Policia !!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/12/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.