Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Equiparação de benefícios

Juízes querem mesmos direitos de procuradores

Por 

O pedido feito por juízes federais ao Conselho Nacional de Justiça, para que tenham os mesmos direitos de integrantes do Ministério Público quanto a férias e benefícios extras no ordenado, levanta novamente a discussão sobre o quanto a Justiça paga pelo tempo em que os magistrados passam parados. A classe já encontrou resistência no Senado Federal, que não vê com bons olhos a aprovação de uma Proposta de Emenda Constitucional que aumente o número de dias de folga. Para a Ordem dos Advogados do Brasil, a questão é lógica: quanto mais descanso, mais tempo os processos esperam nas estantes judiciais.

Defensor da autonomia do Judiciário, o Conselho Nacional de Justiça foi chamado para dar nova interpretação à Lei Orgânica da Magistratura, e autorizar os magistrados a venderem um terço das férias e a receberem auxílio-alimentação e auxílio-moradia, assim como promotores e procuradores da República. O motivo da equiparação é alinhar as duas funções públicas, já aproximadas pela Emenda Constitucional 45, de 2004, como explica o juiz Fernando Mattos, presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil, autora do Pedido de Providências.

A encruzilhada é que só a venda da terça parte dos 60 dias de férias a que têm direito os magistrados custaria aos cofres federais mais R$ 234,7 milhões ao ano em folha de pagamento, segundo reportagem publicada no domingo (29/11) pela Folha de S.Paulo. Gozado, no entanto, o período de descanso ajuda a compor os seis meses que os julgadores passam parados anualmente, o que resulta em maior demora nos julgamentos.

Proposta ousada
Prestes a ser votada pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a PEC 48/09, via legislativa dos juízes para mudanças nas férias, já ganhou alguns narizes torcidos. A proposta original, do senador Valter Pereira (PMDB-MS), previa que, aos 60 dias de parada certa, fossem adicionados ainda outros 19, decorrentes do período de recesso forense entre 19 de dezembro e 6 de janeiro de cada ano. O fim de ano ganharia, assim, as férias coletivas para juízes e servidores, e o pit stop de quase um mês mais do que esperado pelos advogados.

Mas essa soma não estava nos planos da OAB, como afirma o diretor tesoureiro e futuro presidente da entidade, Ophir Cavalcante Junior. “A pausa nas publicações garantiria férias aos advogados, que hoje não podem parar. Mas a PEC criava um exagero”, diz. Foi o presidente da Comissão, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), quem bateu o pé. Se os juízes não aceitassem incluir o recesso forense no período de dois meses a que têm direito, até os 60 dias estariam em risco. A ideia acabou democraticamente acatada. A Justiça fica de 19 de dezembro a 19 de janeiro funcionando apenas em regime de plantão, em férias coletivas, e esse tempo é contado como metade das férias a que os magistrados têm direito. A proposta pode ser votada pela CCJ já na semana que vem.

Olimpo profissional
Mesmo assim, os dois meses de descanso ainda estão muito além do que gozam trabalhadores em regime de CLT. “Os membros do Poder Judiciário são os únicos que trabalham dez meses e ganham 13”, afirma Cavalcante. A razão que diferencia os magistrados dos empregados da iniciativa privada, porém, é justamente a flexibilidade do regime de trabalho, segundo Fernando Mattos. “O juiz não tem sábado e domingo, não ganha hora extra, não tem limite de horas trabalhadas. Muitas vezes leva trabalho para casa e é obrigado a morar em locais de difícil acesso”, explica.

Além disso, segundo o presidente da Ajufe, os atrativos da função existem para torná-la desejável pelas mentes mais capacitadas. “A questão é: que juiz queremos? A magistratura não pode ser uma atividade de passagem, mas o ápice dos mais vocacionados”, afirma.

O prêmio, no entanto, é caro. Reportagem publicada pela ConJur em 2006 mostrou que os juízes trabalham apenas metade do ano. Pelo menos seis meses viram vapor em fins de semana, feriados e emendas, férias, recessos e outras folgas. São os 11 feriados que qualquer brasileiro tem, outros 20 dias de recesso no fim de ano e mais sete feriados exclusivos. Além das férias de 60 dias por ano, há ainda oito dias de folga quando o juiz casa ou quando morre alguém da sua família, mais dois anos remunerados para dedicação aos estudos. Feriados estaduais e municipais também entram na conta.

Comparativo dos dias trabalhados na iniciativa privada e no Judiciário Federal - Jeferson HeroicoEm comparação com os dias efetivamente trabalhados pelos trabalhadores em regime de CLT, o Judiciário labuta 55 dias a menos. Férias, os magistrados têm o dobro. Feriados, sete a mais, sem contar o recesso de fim de ano e a licença-prêmio que, somados, dão 36 dias. No fim das contas, empregados da iniciativa privada folgam 139 dias por ano. Magistrados, 194.

Em um Tribunal de Justiça como o de São Paulo, por exemplo, que tem 360 desembargadores, os dois meses de férias equivalem a 60 magistrados parados a cada mês, o que movimenta juízes convocados para substitui-los. “Não tem estrutura organizacional que suporte isso”, diz um integrante do CNJ que defende o fim da regalia e também da licença-prêmio, pela qual, a cada cinco anos, o juiz ganha três meses de férias.

No CNJ, o pedido de equiparação da Ajufe está empatado em um a um. A votação começou no dia 13 de outubro, e mais 13 conselheiros ainda devem votar. O relator, conselheiro José Araújo Costa Sá, indicado no Conselho pelo Ministério Público, é favorável aos argumentos, mas votou contra por entender que “a solução proposta ultrapassa os limites da competência administrativa atribuída a este Conselho”. A sessão foi suspensa por um pedido de vista do conselheiro Marcelo Neves, depois do voto do conselheiro Felipe Locke aprovando o pedido.

Clique aqui para ler o voto do conselheiro José Araújo Costa Sá.

Pedido de Providências 0002043-22.2009.2.00.0000

[Notícia alterada em 2 de dezembro de 2009, às 18h15, para correção de informações.]

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 1 de dezembro de 2009, 9h31

Comentários de leitores

24 comentários

Alienação

Adilson Gomes Mocinho (Advogado Associado a Escritório)

Lembre-se, a decisão tomada pelos estudantes do Direito em se tornarem EMPREGADOS PÚBLICOS é feita ainda no decorrer do curso, e que opta por ser magistrado, promotor, defensor, procurador e etc., deve ter em mente que deverá cumprir horários, comprovar produtividade e que o salário é pré-estabelecido, bem como, férias e carga horária. Ou faltou maturidade e conhecimento no momento da opção?
Espero que um dia as cabeças decisórias decidam estabelecer idade mínima de 35 anos para investidura na função de magistrado e promotor, pois o principal problema de pensamentos e postura que comprometem o excelente nível de nossa Magistratura nacional é conseqüência da imaturidade e quase nenhum conhecimento da vida por parte de alguns magistrados.
Por fim, não esqueçam que quando um juiz erra, que como simples mortal é norma, os advogados reformas suas decisões nos Tribunais.
Por sinal, não esqueçam que, no mínimom 20% da composição dos Tribunais é formada por advogados, ainda, dos onze Ministros da mais elevada Corte do País, apenas dois dos seus membros são juízes de carreira.
Por fim, respondo ao Magistrado que disse a seguinte frase:
“Os advogados que criticam são uns recalcados invejosos e sabem muito bem que Advogado que estuda muito ou fica rico ou se torna Juiz ou Promotor. Está na hora de cada se pôr no seu lugar, pois o Juiz é membro de um dos Poderes da República e deve ser respeitado por isso. Advogados e Promotores não são e pronto. “
Não esqueça amigo, a Constituição é clara ao afirmar que o poder emana do povo.
Mais ainda, sem advogado não há JUSTIÇA, talvez, apenas Judiciário o que não é garantia de JUSTIÇA como se sabe.

Alienação

Adilson Gomes Mocinho (Advogado Associado a Escritório)

Lembre-se, a decisão tomada pelos estudantes do Direito em se tornarem EMPREGADOS PÚBLICOS é feita ainda no decorrer do curso, e que opta por ser magistrado, promotor, defensor, procurador e etc., deve ter em mente que deverá cumprir horários, comprovar produtividade e que o salário é pré-estabelecido, bem como, férias e carga horária. Ou faltou maturidade e conhecimento no momento da opção?
Espero que um dia as cabeças decisórias decidam estabelecer idade mínima de 35 anos para investidura na função de magistrado e promotor, pois o principal problema de pensamentos e postura que comprometem o excelente nível de nossa Magistratura nacional é conseqüência da imaturidade e quase nenhum conhecimento da vida por parte de alguns magistrados.
Por fim, não esqueçam que quando um juiz erra, que como simples mortal é norma, os advogados reformas suas decisões nos Tribunais.
Por sinal, não esqueçam que, no mínimom 20% da composição dos Tribunais é formada por advogados, ainda, dos onze Ministros da mais elevada Corte do País, apenas dois dos seus membros são juízes de carreira.
Por fim, respondo ao Magistrado que disse a seguinte frase:
“Os advogados que criticam são uns recalcados invejosos e sabem muito bem que Advogado que estuda muito ou fica rico ou se torna Juiz ou Promotor. Está na hora de cada se pôr no seu lugar, pois o Juiz é membro de um dos Poderes da República e deve ser respeitado por isso. Advogados e Promotores não são e pronto. “
Não esqueça amigo, a Constituição é clara ao afirmar que o poder emana do povo.
Mais ainda, sem advogado não há JUSTIÇA, talvez, apenas Judiciário o que não é garantia de JUSTIÇA como se sabe.

Bons salários e dignidade para todos

Gabriel (Bacharel)

Magistrados e membros do Ministério Público trabalham muito ? E os policiais, médicos, enfermeiros, engenheiros etc, não trabalham muito ? Férias de 60 dias, faça-me um favor...
Como já salientado ao SUBSÍDIO (altíssimo) pago a juízes e promotores não se deve agregar mais nada. É a Lei.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/12/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.