Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

NOTICIÁRIO JURÍDICO

A Justiça e o Direito nos jornais deste domingo

As articulações para aprovarem a PEC da Bengala e, assim, garantir mais tempo de toga para juízes começaram a se intensificar. Assessores de assuntos legislativos dos tribunais superiores e ministros diretamente interessados em elevar a idade de aposentadoria compulsória no serviço público de 70 para 75 anos consideram que o presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer (PMDB-SP), é favorável à votação e à aprovação da emenda. No entanto, a votação no Plenário da Casa tem sido sistematicamente adiada porque “não houve ainda quórum no momento certo”, segundo o próprio presidente da Câmara explicou a um daqueles ministros.

Enquanto os interessados articulam nos bastidores, o Jornal do Brasil conta que a AMB lidera – juntamente com as associações similares dos juízes federais (Ajufe) e trabalhistas (Anamatra) – o lobby para derrubar a proposta, com a adesão das entidades de classe dos procuradores da República e do Trabalho

Por outro lado, os defensores da PEC ressaltam que o aumento crescente da expectativa de vida do brasileiro implica, necessariamente, no crescimento do número de aposentados – fenômeno que faz diminuir o equilíbrio entre os contribuintes.


A teoria e a prática
A Folha de S.Paulo conta que a Justiça Eleitoral promete rigor, mas tolera a infidelidade partidária. O debate que movimenta o Congresso sobre a criação de uma janela para que políticos com mandato possam mudar livremente de partido não faz muito sentido. Na prática, essa janela já está aberta, proporcionada pelo Judiciário – o mesmo Poder que, há quase dois anos, divulgou uma resolução para garantir a fidelidade dos congressistas às legendas pelas quais eles se elegeram. Levantamento feito pela Folha constatou que, encorajados pela tolerância da Justiça Eleitoral nos processos de cassação de mandato, deputados e senadores retomaram um intenso troca-troca partidário. Dos 18 casos de perda de mandato de congressistas julgados pelo Tribunal Superior Eleitoral desde o ano passado, em 17 o deputado ou o senador saiu vencedor, seja por ter vencido a causa ou pelo processo ter sido arquivado.


A promotora e o presidiário
Em conversa interceptada em escuta telefônica,  o cabo da PM Denílson Custódio de Souza agradece à promotora Beatriz Leal de Oliveira o dinheiro recebido durante visita ao Batalhão Especial Prisional, no Rio de Janeiro, onde ele está preso acusado de assassinato. Por 45 dias, a Polícia Civil monitorou as ligações do policial militar, o que revelou o envolvimento da representante do Ministério Público em um esquema para acobertar crimes, entre eles execuções, praticados por PMs, em Cachoeiras de Macacu. O caso está sendo investigado por representantes do Ministério Público e do Tribunal de Justiça do Rio, segundo O Globo.


Saída antecipada
O Estado de S.Paulo conta que o economista Paulo Furquim, integrante do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), vai deixar o cargo no próximo dia 18 de setembro. Furquim, que estava a pouco mais de quatro meses de terminar seu segundo e último mandato, entregou carta de renúncia ao ministro da Justiça, Tarso Genro. O conselheiro alegou motivos pessoais. O economista, que está no Cade desde janeiro de 2006, é o relator de processos importantes e que ainda não foram julgados pelo conselho como a compra da Brasil Telecom pela Oi e a fusão dos bancos Itaú e Unibanco.


►OPINIÃO

Discutir é preciso
A Folha publica artigo do dinamarquês Bo Mathiasen, representante do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes para o Brasil e o Cone Sul. Para o pesquisador, é importante que prevaleça o bom senso nas decisões a respeito do uso de drogas, sobretudo por parte dos juízes, no sentido de estabelecer uma proporcionalidade em relação às penas aplicadas em cada caso, considerando aspectos como a reincidência, por exemplo.

Em termos de redução do consumo, Mathiasen diz que é preciso fortalecer a promoção do acesso universal às ações de prevenção e tratamento para usuários, sempre dentro de uma perspectiva de direitos humanos e de cidadania. Para o representante da ONU, deslocar o foco da justiça criminal para a saúde pública requer o fortalecimento das ações integradas de informação e de redes de atendimento. Para isso, é fundamental que os diferentes setores do governo e da sociedade civil que trabalham nas políticas de drogas mantenham um diálogo e uma articulação constantes.

Revista Consultor Jurídico, 30 de agosto de 2009, 11h45

Comentários de leitores

1 comentário

os da Bengala

daniel (Outros - Administrativa)

Os defensores da Bengala querem é apenas ficarem no cargo. Afinal, então por qual motivo não fazem como em alguns países em que ficam no serviço público, mas em funções de assessoria ??

Comentários encerrados em 07/09/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.