Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Morte desprotegida

TJ do Rio livra Maitê Proença de queixa-crime

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro negou provimento ao recurso de Regina Célia da Silva, mãe do ex-marido da atriz Susana Vieira, o ex-policial militar Marcelo Silva. Ela havia recorrido da sentença de primeira instância que rejeitou queixa-crime contra a atriz Maitê Proença, acusada de calúnia, injúria e difamação. Os crimes estavam previstos na Lei de Imprensa, que hoje deixou de fazer parte do ordenamento jurídico por decisão do Supremo Tribunal Federal.

Logo após a morte de Marcelo, vítima de overdose em dezembro de 2008, Maitê Proença fez o seguinte comentário no programa Saia Justa, do canal GNT: "Morre tanta gente legal. Quando morre uma porcaria como essa, é muito bom". Segundo o relator do recurso, desembargador Antonio José Carvalho, a acusação não pode mais ser baseada na Lei de Imprensa. Ele disse também que o Código Penal Brasileiro não prevê a punição para os crimes de injúria e difamação contra a memória dos mortos. Ainda de acordo com o relator, a atriz Maitê Proença não praticou o crime de calúnia em suas declarações.  

“Entretanto, lendo-se as frases que a querelante, ora recorrente, fez transcrever e que supostamente teriam sido ditas pela querelada, ora recorrida, depreende-se que teria ela ofendido a dignidade ou o decoro do falecido, o que caracterizaria o crime de injúria. Todavia, nos crimes contra a honra que o nosso Diploma Penal tipifica, a injúria e a difamação contra a memória dos mortos não são punidas, impossibilitando a aplicação subsidiária das regras ali contidas”, concluiu o relator, que foi acompanhado pelos outros desembargadores por unanimidade de votos. Com informações da Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Processo: 2009.051.00380

Revista Consultor Jurídico, 11 de agosto de 2009, 18h51

Comentários de leitores

1 comentário

FALTA-LHE MORAL PARA FALAR DOS OUTROS

WLStorer (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O que seria "muito bom" é que o MPF fizesse novamente como fez em Santa Catarina e cancelasse a fabulosa Pensão Especial que a atriz Maitê Proença recebe porque nunca se "casou no papel". Isto sim seria um caso exemplar de acabar com uma verdadeira "porcaria" em defesa do Patrimônio Público.

Comentários encerrados em 19/08/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.