Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ranking de notícias

Texto sobre discussão no Supremo é o mais lido

Por 

A discussão protagonizada pelos ministros Joaquim Barbosa e Gilmar Mendes, na última sessão plenária do Supremo, ganhou repercussão nacional e colocou a instituição na boca do povo. A cobertura da revista Consultor Jurídico neste caso, por exemplo, chamou a atenção de 9,2 mil leitores. A medição é feita pelo Google Analycts.

Na reportagem, o correspondente da revista ConJur em Brasília, Rodrigo Haidar, resgatou o diálogo acalorado entre os ministros e registrou o motivo do mal-estar supremo. É que Joaquim Barbosa, insatisfeito com o resultado de um julgamento do qual não participara, quis reabrir a questão, questionando a deliberação.

Gilmar Mendes não gostou da forma como o colega tentou desqualificar a decisão e disse que JB pretendia guiar suas decisões de acordo com as classes sociais envolvidas na ação. JB reagiu. Disse que Gilmar Mendes está “destruindo a Justiça desse país” e que não falava ali com um de "seus capangas de Mato Grosso". Os leitores, contudo, que ainda não assistiram ao vídeo da sessão podem clicar aqui para vê-lo.

Tragédia humana
O segundo texto mais acessado da ConJur, que chocou não só a comunidade jurídica como toda a sociedade, foi sobre a morte do advogado Renato Ventura Ribeiro, de 39 anos, e de seu filho, Luiz Renato, de 5 anos. A notícia recebeu 7,1 mil visitas desde que foi publicada. Pai e filho foram encontrados com um tiro na cabeça e estavam estendidos sobre a cama do apartamento onde morava o advogado, no bairro Planalto Paulista, em São Paulo.

A suspeita da Polícia, de que o advogado pode ter atirado no filho e se matado em seguida, foi reforçada na quinta-feira (23/4) depois que encontraram uma carta de “despedida” no computador do advogado. Clique aqui para ler o texto.

Mais do mesmo
O ranking da ConJur apontou, ainda, que a nota dos ministros do STF em apoio ao ministro Gilmar Mendes, depois do desentendimento com Joaquim Barbosa, foi a terceira notícia mais lida. Teve 4,8 mil acessos.

O texto, assinado pelo jornalista Rodrigo Haidar, diz que a discussão também fez o Supremo Tribunal Federal cancelar a sessão de quinta-feira (23/4). A decisão foi tomada em reunião dos ministros convocada por causa da discussão. Depois de ficarem reunidos por mais de três horas, oito ministros do STF emitiram uma sucinta nota na qual “reafirmam a confiança e o respeito ao Senhor Ministro Gilmar Mendes na sua atuação institucional como Presidente do Supremo, lamentando o episódio ocorrido nesta data”. Não subscrevem a nota os ministros Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa, envolvidos na discussão, e Ellen Gracie, que estava em Genebra. Clique aqui para ler a nota.

 Audiência

Em um período de sete dias (18 a 24 de abril), a ConJur recebeu 225 mil acessos. O dia mais visitado foi a segunda-feira, 20 de abril. Neste dia, a revista publicou os seguintes destaques, dentre outros:

  • STJ perdeu a chance de resolver impasse do Quinto da advocacia
  • Sob ameaça de fechamento, Kroll diz que não faz espionagens
  • STF analisa se passar AIDS é tentativa de homicídio
  • Especialistas levam a melhor em mercado com 200 mil jovens
  • De cada três matérias produzidas no Congresso, uma é relevante
  • MP não pode se manifestar depois de defesa preliminar

Leia os textos mais acessados do dia 18 ao dia 24 de abril

À flor da peleMinistros voltam a discutir em sessão do Supremo
Tragédia humana — Advogado e filho são encontrados mortos em SP
Depois da guerra — Ministros do STF apoiam atuação de Gilmar Mendes
O advogado de Lula — Toffoli pode substituir Ellen Gracie no Supremo
Esquema de corrupção — Pela primeira vez, em quatro anos, CNJ pune juiz
Coluna do Haidar— Medidas de Dalazen racham a Justiça trabalhista
Crença na JustiçaNão há crise, diz presidente do Supremo
Nota de pesar — PRE de SP lamenta morte do advogado Renato Ventura
Visita armadilha — De Sanctis se recusa a receber presidente da CPI
Ordem na defesa — MP não pode falar depois de defesa preliminar

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 25 de abril de 2009, 10h05

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 03/05/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.