Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Baixa produtividade

TJ gaúcho propõe à Assembleia fim da Justiça Militar

O Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, por 23 a 2, decidiu encaminhar à Assembleia Legislativa uma proposta de emenda à Constituição estadual para extinguir a Justiça Militar do Estado. A proposta, aprovada na segunda-feira (13/4), foi apresentada pelo presidente do TJ-RS, desembargador Armínio Lima da Rosa. As informações são do UOL Notícias.

Se a proposta for aprovada pela Assembleia Legislativa, os casos envolvendo crimes cometidos por militares passarão a ser julgados pela justiça comum. Um projeto de lei regulamentando a extinção ou a incorporação de cargos e funções da Justiça Militar pelo Tribunal de Justiça do Estado será encaminhado à AL. Os seis juízes militares da segunda instância serão incorporados pelo Judiciário do Estado.

Uma pesquisa informal feita pelo TJ indicou que 82% dos juízes que atuam no Estado são favoráveis à extinção da Justiça Militar.

A decisão do Órgão Especial do TJ-RS foi baseada em parecer elaborado pela assessoria da presidência. O documento diz que as normas militares refletem questões atinentes à obediência e à disciplina, “que se adéquam, portanto, como nas demais carreiras públicas, a normas administrativas”. Pesou também na decisão um parecer do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) apontando irregularidades como nepotismo e baixa produtividade no funcionamento do órgão.

Oposição

O presidente do Tribunal de Justiça Militar do Rio Grande do Sul, juiz-coronel Sérgio Antônio de Brum, reclamou de não ter sido ouvido pelo TJ sobre a decisão. Segundo ele, o Tribunal de Justiça Militar está investindo em um projeto de modernização do órgão, que prevê uma reforma administrativa e a redução de custos. O orçamento anual do TJM é de R$ 23,5 milhões.

Brum declarou ao UOL que fará pressão junto aos deputados para que evitem a extinção do órgão militar. “A corporação tem 50 mil homens armados no Rio Grande do Sul. Sem uma Justiça Militar, prevejo que o caos vai se instalar em cinco anos”, afirmou.

Dados do TJ indicam que há apenas 1.074 processos em tramitação no órgão, dos quais 925 criminais e outros 149 administrativos.

Revista Consultor Jurídico, 15 de abril de 2009, 6h10

Comentários de leitores

4 comentários

EXTINÇÃO DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL ???

acdinamarco (Advogado Autônomo - Criminal)

"Perdão, meu Pai, não sabem o que falam !"
acdinamarco@aasp.org.br

Extinção da Justiça Militar - TJRS

DR.RAIMUNDO NERES (Advogado Autônomo)

Parabens ao TJRS pela coragem e iniciativa.

está certo o TJRS

daniel (Outros - Administrativa)

Nenhum país do mundo tem Justiça Militar em tempo de paz.
Ademais, como ampliaram a competëncia na Emenda Constitucional de 2004 agora quem quiser ajuizar uma açao civil tem que ir à Capital, pois náo existe justiça militar no interior. Um absurdo !!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/04/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.