Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Prioridade nacional

Pacto entre os Três Poderes deve fortalecer Procons

Os Procons de todo o país deverão ganhar mais poderes com o pacote de mudanças na legislação que integra o II Pacto Republicano, que os presidentes dos Três Poderes assinaram nesta segunda-feira (13/4), em Brasília. O pacto tem como objetivo garantir proteção dos direitos humanos e fundamentais, agilidade e efetividade da prestação jurisdicional e acesso universal à Justiça.

O pacto prevê que os acordos feitos no Procon serão homologados pela Justiça. Em caso de descumprimento por parte da empresa, bastará ao consumidor iniciar a fase de execução no Judiciário, ao invés de começar o processo do zero, segundo explicou o ministro Gilmar Mendes.

De acordo com informações do jornal O Estado de S.Paulo, a proposta de alteração no Código de Defesa do Consumidor está em estudo no Ministério da Justiça, mas algumas das sugestões já adiantadas dão efetividade às punições impostas pelos Procons e permitem o ajuizamento de ações coletivas contra empresas. Da forma como está a legislação hoje, basta a uma empresa recorrer à Justiça para não ser obrigada a pagar a multa imposta pelo Procon por alguma irregularidade. A multa é aplicada, mas depende de um longo processo judicial para ser paga.

Uma das ideias em estudo é obrigar as empresas a recolher o valor da multa para só então recorrer à Justiça. Além de dar efetividade à decisão do Procon, essa alteração pode evitar que as disputas entre empresas e consumidores se transformem em pendengas judiciais. Não há ainda previsão de quando a proposta de alteração legal irá ao Congresso, mas o texto do pacto republicano mostra que a iniciativa é tratada como prioridade pelos Três Poderes.

De acordo com o texto, para que Procons possam ajuizar ações coletivas em nome dos consumidores, o Congresso precisará alterar o Código de Defesa do Consumidor. Um projeto nesse sentido deve ser encaminhado pelo governo nos próximos meses. A mudança evitaria uma enxurrada de processos individuais, que demoram a ser julgados e podem, a depender do juiz, ter decisões distintas.

O evento contou com a presença dos presidentes da República, Luiz Inácio Lula da Silva, do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP).

Posição da OAB

O presidente nacional da OAB, Cezar Britto, já se manifestou sobre o Pacto. De acordo com ele, o novo acordo entre os chefes do Executivo, Legislativo e Judiciário, pode já nascer "capenga" caso não seja corrigido um grave problema: o relacionamento entre o cidadão e os Estados e municípios, já que esses últimos, segundo ele, não tem cumprido as decisões judiciais e o farão menos ainda caso seja aprovada a Proposta de Emenda Constitucional no 12/06 — mais conhecida como PEC do Calote,

“O cidadão comum é obrigado a cumprir as decisões judiciais, mas o Estado delas zomba. Caso a PEC 12/06 seja aprovada, isso significará que a Justiça não chegará mais para aquele cidadão que demanda contra o Estado”.

Na avaliação de Cezar Britto, que participou também da cerimônia de assinatura do II Pacto Republicano, se se pretende fazer um pacto que efetivamente funcione, o Estado tem que ser o primeiro a dar o exemplo. "O Estado não pode assinar um compromisso para os outros se ele não se compromete, também, a cumprir", afirmou Britto, fazendo referência aos milhões em precatórios (dívidas judiciais reconhecidas pela Justiça) devidos e não pagos por Estados e municípios no Brasil.

Ainda na opinião de Cezar Britto, essa PEC 12 é tão " vergonhosa e imoral" que se diz, publicamente, que ela vai cometer um calote contra o brasileiro que passou anos na Justiça demandando contra o Estado, saiu vencedor na causa, mas nunca receberá o que lhe é devido. "Se queremos fazer um pacto para valer, e não um faz de conta, o Estado tem que fazer a sua parte".

Revista Consultor Jurídico, 13 de abril de 2009, 13h53

Comentários de leitores

6 comentários

Lembrança

Armando do Prado (Professor)

Cada vez que ouço a palavra "pacto", lembro-me imediatamente do Pacto Moltov-Ribentropp, ou seja, esse pacto esta mais para GM do que para os direitos do povo.

Esqueceram a Sociedade

Paulo Morais (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

O Pacto poder'a ser muito bom para a sociedade brasileira, mas imprescind'ivel seria que ela, por meio de instituicoes organizadas (ex: OAB) participasse e firmasse o referido documento. O Estado tamb'em deve ser cumpridor das suas obrigacoes e d'ividas

Caso Nuzman: cadê o TCU e o MPF?

Nado (Advogado Autônomo)

Caso Nuzman e o PAN do Rio: Congresso aprovou centenas de milhões, o Nuzman gastou alguns BILHÕES e não prestou contas. As poucas contas não foram aprovadas pelo TCU, segundo a imprensa. Houve outra denúncia: os apartamentos dos atletas foram transferidos para figuras carimbadas. Depois, ninguém falou mais nada. A razão: a Copa do Mundo no Brasil. Serão outros bilhões, com outros luxos e mimos para jogadores e cartolas, além de autoridades e da imprensa, também com marketing bilionário, a derramar fortuna para toda a mídia. Em paralelo, foi aprovada a lei de incentivo fiscal para atletas da mesma forma que funciona para artistas. A empresa transfere como incentivo os impostos que pagaria para sustentar atletas. E o governo ainda ganha o favor de atletas e artistas para a sua imagem demagoga. Apareceu até a velha guarda com barriga maior do que a do Ronaldinho para entrar na festa. Só a classe média produtiva que paga impostos neste Brasil? Era isso que os comunistas da mídia queriam quando criticavam os militares? Eles todos na mídia e mamando nas tetas da nação? E ainda tem as indenizações por exílio turístico entre camaradas que anda pagando prêmios de loterias para gente que andava armada até os dentes com fome de endurecer e matar com a falsa ternura de Guevara. Ô paizinho sô...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/04/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.