Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Militar gay

Sargento gay é preso novamente por falta disciplinar

O sargento do Exército Laci de Araújo foi detido nesta terça-feira (30/9) em Brasília, acusado de transgressão disciplinar. Segundo o Exército, ele está preso por deserção, por ter deixado o quartel onde servia em Brasília e viajado a Natal, em 2007, sem autorização do comandante.

O ex-sargento do Exército Fernando Alcântara, companheiro de Araújo, tem uma outra versão para a punição: a prisão foi motivada por uma outra viagem também não autorizada, em junho desse ano, para São Paulo, quando os dois deram uma entrevista à revista Época assumindo que mantinham um relacionamento gay.

Segundo Alcântara, Araújo foi preso por volta das 13h30 após ser informado da sentença que o condenou a seis meses de prisão por deserção. A decisão foi tomada pela Justiça Militar no dia 23 de setembro. Ele recorreria em liberdade. Araújo foi levado ao Batalhão da Guarda Presidencial (BGP), onde ficará detido.

Segundo o Comando Militar do Planalto, Araújo ficará preso por quatro dias por ter viajado para Natal. O Exército diz também que ele ainda deverá cumprir mais três dias de prisão, relativos à condenação por deserção. A pena é de seis meses: 60 dias em regime fechado (dos quais ele já cumpriu 57) e 120 dias em regime aberto.

O Comando Militar afirma que Araújo ainda tem outras "pendências disciplinares", que "serão aplicadas a juízo de seu comandante."

Caso

Laci de Araújo disse para a revista Época, em maio, que mantém um relacionamento de mais de 10 anos com o então colega de Exército Fernando Alcântara. Logo após a entrevista, ambos foram presos. Alcântara respondeu processo administrativo por aparecer na TV com o uniforme alterado. Em seguida, ele pediu baixa do Exército, livrando-se de outras punições disciplinares.

Já o sargento Laci Araújo ficou preso durante 57 dias em um quartel de Brasília, sendo libertado por força de um Habeas Corpus do Supremo Tribunal Federal. Ele nega que seja desertor. Laci alegou que não voltou ao trabalho porque estava com problemas de saúde.

Revista Consultor Jurídico, 30 de setembro de 2008, 21h55

Comentários de leitores

8 comentários

Nem debate jurídico nem homofobia e explico: Nã...

Lima (Advogado Autônomo - Tributária)

Nem debate jurídico nem homofobia e explico: Não se trata de debate jurídico porque não estamos discutindo a lei em si, mas a moral, a tradição e os bons costumes; Não se trata de homofobia porque isto não existe. O que tu define como homofobia defino como direito de luta pela família, pelo bem do Estado e da sociedade. Homossexualismo é doença e falta de vergonha na cara. Quer ser homossexual, que seja, mas dentro de quatro paredes porque ninguém é obrigado a assistir situação tão degradante. Homossexualismo faz tão mal para a sociedade como as drogas. E isto é uma opinião e deve ser respeitada.

O que estou vendo aqui é um debate jurídico ou ...

Themis Aninha (Prestador de Serviço)

O que estou vendo aqui é um debate jurídico ou uma alusão à homofobia???

Concordo com o Lima: As FFAA não são lugar para...

Alex Wolf (Estudante de Direito)

Concordo com o Lima: As FFAA não são lugar para efeminados e que tenham atração por pessoas do mesmo sexo. É um lugar para homens ou mulheres, não se admitindo um "3º" sexo. Se o gay do citado artigo não estiver satisfeito com a situação, que peça a baixa. O Exército não é lugar para "namoricos" entre pessoas do mesmo sexo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 08/10/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.