Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Apoio social

CBF contribuirá com CNJ na ressocialização de presos

A Confederação Brasileira de Futebol vai contribuir com os projetos do Conselho Nacional de Justiça em defesa dos direitos da criança e do adolescente e pela ressocialização de ex-presidiários. O anúncio foi feito, nesta terça-feira (30/9), pelo presidente da CBF, Ricardo Teixeira, ao presidente do Supremo Tribunal Federal e do CNJ, ministro Gilmar Mendes.

“Ninguém vai se furtar a dar a sua contribuição nessas duas campanhas de suprema importância”, disse Teixeira. Ele e o secretário-geral da Fifa, o francês Jerome Valcke, estiveram no início da tarde desta terça no STF para uma visita ao ministro Gilmar Mendes, que aproveitou o momento para convidar a CBF e a Fifa a participarem dos projetos.

Segundo Teixeira, a proposta do ministro Gilmar Mendes é “perfeitamente factível” e as entidades vão estudar formas de envolver a seleção brasileira e até a Copa do Mundo de 2014, que será realizada no Brasil, nas iniciativas do CNJ. “Vamos fazer os estudos, vamos criar uma comissão, vamos, de qualquer maneira, trabalhar para isso, porque realmente os dois projetos são de profundo alcance social”, afirmou.

Revista Consultor Jurídico, 30 de setembro de 2008, 18h55

Comentários de leitores

2 comentários

Quem sabe a CBF agora vai servir pra alguma coisa.

Ivan G. Pirajá Martins (Advogado Autônomo)

Quem sabe a CBF agora vai servir pra alguma coisa.

todo mundo quer aparecer e lucrar com os presos...

analucia (Bacharel - Família)

todo mundo quer aparecer e lucrar com os presos no Brasil. O que precisa é exigir que os Tribunais informatizem o atestado de pena, já regulamentado pelo CNJ e que coloquem o mesmo no site dos Tribunais, pois os próprios familiares dos presos poderiam ser acompanhar a pena, sem reserva de mercado. Outra questáo é criar uma nova forma de liberdade provisória, isto é, quando a pena comportar medida alternativa, o juiz poderia liberar o autuado. E por fim, transformar o crime de furto de bens de valor inferior a 30% do salário mínimo em açao penal condicionada à representaçao. Com essas trës medidas e sem custo, haveria razoável melhoria no sistema prisional.

Comentários encerrados em 08/10/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.