Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Esconde-esconde

Lacerda sumiu com grampos para proteger Lula, informa Veja

A revista Veja desta semana traz uma revelação que empobrece um pouco mais a folha corrida do ex-chefe da Abin e da PF, Paulo Lacerda. Os jornalistas Expedito Filho e Diego Escosteguy informam que Lacerda, para proteger o Planalto sumiu com grampos que incriminariam o ex-tesoureiro petista Delúbio Soares. O material só reapareceu depois que o Ministério Público Federal fez uma "recomendação" para que o delegado devolvesse o material.

O procurador da República Gustavo Pessanha, que integra o grupo de Controle Externo da Atividade Policial, informou que o sumiço do material está sendo investigado. O delegado Paulo Lacerda, ex-dirigente da PF, foi afastado do comando da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) depois da revelação da revista <>Veja de que tanto a Polícia Federal quanto a Abin andaram agindo à margem de suas atribuições e com objetivos onde não se enxerga muito bem onde está o interesse público.

A conversa entre o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, e o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) foi publicada, no começo de agosto, pela revista, que teria conseguido o material com um funcionário da própria Abin. As gravações teriam sido feitas depois de o ministro conceder liminar em Habeas Corpus para libertar o banqueiro Daniel Dantas, preso na Operação Satiagraha da Polícia Federal.

O primeiro aviso de que Gilmar Mendes estava sob monitoramento por ter concedido o HC partiu da vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, desembargadora Suzana Camargo. O presidente do STF teria ligado para o TRF-3 a fim de saber se o juiz da 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, Fausto de Sanctis, tinha, de fato, decretado nova prisão do banqueiro Daniel Dantas. Como a presidente do tribunal não estava, Mendes foi atendido por Suzana Camargo. Ela teria procurado o juiz De Sanctis para saber maiores detalhes do caso e se, realmente, havia novo decreto de prisão.

Na semana passada, a desembargadora prestou depoimento à Polícia Federal, que investiga os grampos ilegais no presidente do STF. Ela confirmou ter ouvido do juiz relatos sobre conversas reservadas e reuniões dentro do gabinete do presidente do STF.

Segundo o depoimento, Suzana ouviu o juiz dizer que soube, por meio dos informes, que Gilmar Mendes o chamara de "incompetente" em uma conversa reservada com assessores, logo depois de revogar o primeiro decreto de prisão do banqueiro. A desembargadora afirmou, ainda, que o juiz também descreveu um suposto jantar de assessores de Mendes com advogados de Daniel Dantas, em Brasília, e que havia "muita sujeira" nessas relações.

Suzana Camargo não afirmou, em nenhum momento, que De Sanctis falou sobre uso de meios ilegais de espionagem na produção dos informes que recebia, como escutas clandestinas em telefones ou no gabinete do ministro.

O juiz já negou à CPI dos Grampos que tenha relatado o que declara a desembargadora. Ele disse que não autorizou nenhum tipo de monitoramento do ministro Gilmar Mendes. "Sobre esse tema eu não vou falar", afirmou à revista. A um amigo, o juiz contou que tem uma testemunha para provar que a conversa com a desembargadora não passou por esse tipo de assunto.

A desembargadora foi aconselhada pelos delegados que investigam o caso a não comentar o teor de seu depoimento. "Não posso falar sobre isso. Está protegido por segredo de Justiça", afirmou. Os investigadores temem que o vazamento dos detalhes prejudique a produção de provas.

Revista Consultor Jurídico, 20 de setembro de 2008, 16h44

Comentários de leitores

24 comentários

Veja é adepta do estilo " acusar e não provar",...

Vinícius Campos Prado (Professor Universitário)

Veja é adepta do estilo " acusar e não provar", criticado por Gilmar Mendes apenas quando se trata de sua pessoa ( como no caso da Istoé). Onde está o áudio da conversa entre Gilmar e Demóstenes Torres? Ou alguém pensa que a palavra de um e outro constituem prova para alguém sério no país? Por que a revista não investiga a questão da supressão de instâncias no caso Daniel Dantas? Poderia começar nos informando os números de todos os habeas corpus que antecederam o impetrado perante o STF. Curiosamente, ninguém ouviu falar deles, o STF e seu presidente não informaram, ninguém no TRF-3 e no STJ votou. Ou seja, com base em que Gilmar Mendes se achou competente para conceder habeas-corpus que deveria ser impetrado em segunda instância? A Veja não se interessou em saber disso? A constitucionalidade e a moralidade não são temas de interesse da revista?

Desde quando declarações da Veja empobrecem alg...

Vinícius Campos Prado (Professor Universitário)

Desde quando declarações da Veja empobrecem alguém? Ser criticado por essa revista fascistóide deve ser motivo de orgulho para qualquer um, e sinal de que se está no caminho certo. A revista não tem compromisso sequer consigo mesma. No dia da posse de FHC, em seu primeiro mandato, escreveu sobre Itamar Franco, na manchete: " Enfim, um Presidente que deu certo". Em 1999, quando da briga de Itamar com Fernando Henrique, estampou a caricatura do ex-presidente mineiro visto como Napoleão Bonaparte. Ou seja, sua visão das pessoas não é baseada em seu valor ou atos, mas nas conveniências de plantão da revista. Alguém já viu uma carta criticando a revista sobre política sendo publicada? Esse é o padrão de democracia da Veja e da Editora Abril.

Tudo indica que os espiões do PT querem sequest...

Joaca (Consultor)

Tudo indica que os espiões do PT querem sequestrar o País.O sequestro técnico desestabilizam os trêis PODERES???!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 28/09/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.