Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Fé pública

Anoreg-SP reflete sobre rotina de cartórios de notas e registros

O cartório é um serviço público ou privado? Como ficará este serviço com o advento da informática? Existe uma legislação sobre a realização de concursos públicos para cartórios? Essas e outras dúvidas foram discutidas nesta quinta-feira (18/9) durante a primeira edição das Jornadas Institucionais promovida pela Associação dos Notários e Registradores de São Paulo (Anoreg-SP). O evento se encerrou na sexta-feira (19/9) no Espaço de Eventos Hakka, na Capital paulista.

A abertura teve a presença do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, que destacou a necessidade de uma grande mobilização nacional para que todas as pessoas, no menor prazo possível, tenham um registro civil de modo a diminuir o que classificou como “apartheid social”.

Também compuseram a mesa o corregedor-geral da Justiça do estado de São Paulo, Ruy Pereira Camilo, e a presidente da Anoreg-SP, Patrícia Ferraz, que assinalou que as presenças ilustres obrigavam a entidade e seus apoiadores a projetar desde já a próxima edição do evento para 2009.

Linguagem notarial

A primeira palestra do dia abordou a associação entre a linguagem e a realidade com as atividades notariais e sua conseqüente segurança jurídica. O mestre e doutor em Direito pela Universidade de São Paulo, Celso Fernandes Campilongo, considerou que o Direito Notarial ou Registral contempla hoje uma realidade interna e outra externa.

“O direito constrói sua realidade a partir de códigos próprios. A economia e a política, por exemplo, acabam sendo traduzidas numa linguagem própria do direito”, afirmou o professor. Campilongo registrou que se a economia tem para si o binário ter ou não ter, o Direito, com maior profundidade, se atém às variáveis legal e ilegal, daí a importância da ordenação do Estado de Direito.

Para o mestre, os limites entre o Direito e a política são mediados pela Constituição que, por sua vez, se manifesta através de contratos. “Mas é importante não perdermos de vista que o sistema jurídico deve estar alheio ao poder político. Nenhuma corte pode se deixar levar pela vontade da sociedade”, advertiu.

Já o reitor da Universidade do Registro de Imóveis, Sérgio Jacomino, bateu insistentemente na tecla de que “sem registro, o sujeito dissolve-se”. A seguir, listou a importância da informática no contexto de registros notariais e, apesar de reconhecer os avanços, do qual afirma que não se pode abrir mão, manifestou preocupação com a transição dos dados em papel para o formato digital.

“Em tempo ainda a se precisar, os dados dos cartórios vão migrar para grandes bancos de dados na internet. Provavelmente, a ação humana que vemos hoje nos cartórios vai desaparecer. Será um desafio transformar os registros já existentes em arquivos digitais, assim como zelar pela segurança deles”, provocou.

Outro ponto destacado por Jacomino foi o conteúdo dos documentos. Em uma apresentação, se disse impressionado com a semelhança de registros de imóveis do Século XVIII com arquivos semelhantes ao que vemos hoje nas planilhas de Excel. “A lógica é a mesma, as idéias não se perdem. Temos as tabelas, os espaços. Mas, com o passar do tempo, esses documentos cresceram em número de dados. Será um desafio reduzi-los e torná-los mais objetivos”, finalizou Sérgio Jacomino.

Concursos

A tarde reservou polêmica para os debatedores. A divergência deu-se justamente em torno dos concursos públicos para serviços notariais e de registros, um consenso entre os participantes. O juiz de Direito, Vicente de Abreu Amadei, defendeu que a legislação sobre o tema é nebulosa, e tanto é assim que o próprio Tribunal de Justiça de São Paulo anulou dois concursos. “O concurso para remoção deve ser feito a partir de uma perspectiva de carreira. E para isso é preciso que se tenha uma legislação respeitando a especialidade. Sem lei, só se pode fazer o concurso com investidura”.

Por sua vez, o advogado João Roberto Piza Fontes disse que a lei e a Constituição deveriam ser cumpridas. “As leis estão lá. Devem ser cumpridas. O problema não é a forma do concurso e sim como o processo seletivo é organizado”, defendeu. Por sua vez, o juiz federal Silvio Luís Ferreira da Rocha destacou que os notários e os registradores, embora façam concurso, não são necessariamente servidores públicos.

Revista Consultor Jurídico, 20 de setembro de 2008, 0h00

Comentários de leitores

2 comentários

Você burro. Não sabe comentar.

Paranhos (Advogado Autônomo - Dano Moral)

Você burro. Não sabe comentar.

Cartório é uma teta pública que alimenta intere...

Luiz Fernando (Estudante de Direito)

Cartório é uma teta pública que alimenta interesses privados. É evidente que sendo um serviço delegado pelo poder público (no início só juizes de direito podiam fazer o que fazem hoje todos os cartórios chamados extrajudiciais), os tais juramentados gostaram da idéia e querem uma espécie de perpetuatio jurisditioni. Quanto mais leite jorrar, melhor alimentados ficarão. E de pai para filho, de preferência, porque ninguém é de ferro. Poderiamos chamá-los (os cartórios) de Capitanias Hereditárias. Porquê não ? Um cartório de protesto de títulos nos dias atuais, em uma cidade de médio porte, rende ao "proprietário" em torno de R$ 180 mil por mês. Convenhamos que não é nenhum exagero. O Ronaldinho Gúcho, o Felipe Massa, a Gisele Bundschen, todos eles ganham muito mais do que isso. É preciso muita calma nessa hora.

Comentários encerrados em 28/09/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.