Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Débito eleitoral

Prefeito que deixou de votar não pode disputar reeleição

Por ter deixado de votar no referendo sobre comercialização de armas de fogo, em 2005, de justificar a ausência e de pagar a multa no prazo previsto em lei, o atual prefeito de Camboriú, em Santa Catarina, e pré-candidato à reeleição, Edson Olegário, vai ficar fora da disputa pela prefeitura da cidade.

O ministro Joaquim Barbosa, do Tribunal Superior Eleitoral, negou recurso apresentado pelo prefeito contra a decisão do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC), que impugnou o registro de candidatura por falta de quitação com a Justiça Eleitoral.

“A Justiça Eleitoral, sem a devida justificativa, não tem como adivinhar o motivo da ausência do recorrente às urnas. Serve como uma luva, no caso, a máxima jurídica: o Direito não socorre os que dormem”, afirmou o ministro.

Segundo a decisão do TRE catarinense, Olegário não compareceu para votar no referendo sobre a comercialização de armas de fogo no Brasil em 2005, não justificou e nem pagou a multa pela ausência. A corte estadual lembrou que a quitação eleitoral é condição primordial para elegibilidade, conforme o artigo 11 da Lei das Eleições (Lei 9.504/97).

Edson Olegário informou, na ação, que às vésperas do referendo sofreu um grave acidente de carro, que o deixou em recuperação durante 60 dias. Reclamou que, por estar acidentado e em recuperação, o artigo 6º do Código Eleitoral, lhe daria amparo legal para não comparecer ao referendo do desarmamento.

No recurso apresentado ao TSE, ele contestou a aplicação da multa e a falta de condição de elegibilidade imposta, alegando diferença de entendimento sobre o assunto na Justiça Eleitoral. Citou julgados no Tribunal Regional de Minas Gerais (TRE-MG), que aceitam o pagamento da multa pela ausência às urnas após o registro da candidatura. De acordo com o processo, o prefeito, e pré-candidato, teria pagado a multa um dia após a impugnação de seu registro.

Contudo, ao analisar o recurso, o ministro Joaquim Barbosa afirmou que o TSE já se manifestou diversas vezes sobre o tema, ao lembrar que as condições de elegibilidade reclamam a quitação eleitoral em toda a sua plenitude, sendo esta aferida no momento do registro de candidatura. “O simples fato de a multa estar sendo objeto de discussão judicial não autoriza que seja reconhecida a quitação eleitoral”, afirmou.

Em relação ao fato de o prefeito de Camboriú ter alegado falta de saúde para não votar e nem justificar o voto, o ministro Joaquim Barbosa afirmou que “pelo que se depreende dos autos, ele não teve sua capacidade cognitiva afetada. Assim, não é razoável que nesses últimos dois anos e meio o recorrente não tenha se lembrado de verificar sua situação perante a Justiça Eleitoral, sabendo que não votou no referendo de 2005”.

Respe 30.064

Revista Consultor Jurídico, 17 de setembro de 2008, 16h49

Comentários de leitores

1 comentário

Essas são as atuais condições do STF. Grandes b...

ZÉ ELIAS (Advogado Autônomo)

Essas são as atuais condições do STF. Grandes bandidos podem se candidatar sem problemas, mas a simples ausência, que numa verdadeira democracia seria normal, o candidato se torna inelegível.STF para que!

Comentários encerrados em 25/09/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.