Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Agentes na Satiagraha

PF diz que não autorizou agentes de Abin na Satiagraha

O diretor da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa, afirmou nesta quarta-feira (17/9) que a participação de agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) na Operação Satiagraha não passou pelo crivo da direção da PF. Corrêa depõe na Comissão de Controle de Atividades de Inteligência do Congresso. Já o ex-diretor da Abin, Paulo Lacerda, disse que a colaboração de agentes foi autorizada pela cúpula da Abin.

Na semana passada, o diretor de contra-inteligência da Abin, Paulo Maurício Fortunato, disse à CPI das Escutas Telefônicas Clandestinas que 52 homens da agência trabalharam na Satiagraha.

“A atuação da Abin foi legítima. Dentro da Abin, orientações de baixo para cima e as autorizações ocorreram. Se em relação à Polícia Federal não houve isso, eu lamento. Imaginava que isso estivesse ocorrendo", disse Paulo Lacerda.

Já Corrêa informa que a cúpula não pediu a cessão de agentes da Abin. "Não houve nenhuma comunicação informal nas instâncias superiores da polícia deste procedimento", disse o diretor da PF. Entretanto, Côrrea explicou que não houve "entrada clandestina" destes funcionários nas dependências da sede da PF em Brasília, onde foram feitas as investigações da Satiagraha.

O deputado José Edmar (PR-DF), preso em 2003 pela PF sob a acusação de grilagem de terras, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha, criticou Corrêa, durante reunião. O deputado utilizou palavras ásperas contra o diretor e disse que a PF o prendeu para "acobertar o verdadeiro grileiro de Brasília".

As declarações de José Edmar criaram um constrangimento que levou o presidente da comissão, senador Heráclito Fortes (DEM-PI), a solicitar ao deputado que moderasse a linguagem.

Revista Consultor Jurídico, 17 de setembro de 2008, 18h28

Comentários de leitores

9 comentários

INTERPRETAÇÕES Se existisse uma linha na l...

Ticão - Operador dos Fatos ()

INTERPRETAÇÕES Se existisse uma linha na legislação impedindo a colaboração da Abin com a Polícia Federal, certamente os advogados do Daniel Dantas já teriam feito o favor de indicar qual a Lei, o Artigo e o Parágrafo. Donde entendo que será resolvido no Pântano da Interpretação Jurídica. E aí, sobrevive quem estiver com a bóia mais cheia. .

SEGURANÇA INSTITUCIONAL ESTA EM CHEQUE TODOS NÓ...

Luiz P. Carlos (((ô''ô))) (Comerciante)

SEGURANÇA INSTITUCIONAL ESTA EM CHEQUE TODOS NÓS SABEMOS, IMAGINE O JUIZ De Sanctis , ABIN & PF ! A ABIN esta respaldada pela constituição para agir em face de risco a segurança institucional e nacional, portanto nessa parceria com a Policia Federal apenas cumpriu a sua função de investigar sob tais interesses. Ocorre que as autoridades envolvidas não querem vestir a carapuça de que no mínimo são suspeitos de fazer parte dessa esquema de Habeas Corpus, dessas negociatas e arrumadinhos em troca de favores cerceando e cercando a lebre em favores pessoais, etc. Vendilhões da pátria, INSERIDOS PODRES PODERES, estruturados numa quadrilha de cooptadores que cresce dia a dia em face da impunidade, sem uso de espionagem e grampos não chegaríamos a lugar algun, salvaguardando os interesses dessa imensurável quadrilha que se apoderou da nação. Onde os “Capôs de tuti los Capôs” sequer podem ser algemados, julgados pelos seus pares e parceiros. Uma nação onde queimaram a imagem, a moral e acabaram com o poder das forças armadas, das legitimas policias, em detrimento das Guardas Municipais, das Milícias e seguranças particulares armadas e blindadas. Onde o Curral Eleitoral virou norma padrão, feudos amordaçados e consentidos por esse PODRE PODER JUDICIARIO.

Parece que na Abin e na PF há pessoas que acha...

Luiz Fernando (Estudante de Direito)

Parece que na Abin e na PF há pessoas que acham que em tudo os fins justificam os meios. É uma posição perigosa - Maquiavel, Hitler, Sadam, Mussolini, todos pensavam assim. Na administração pública há uma barreira para isso que é a lei. O particular pode fazer tudo o que a lei não proíbe, mas o administrador público só pode fazer o que a lei permite expressamente. Essa é a regra.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 25/09/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.