Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Instância militar

STM deve julgar soldado acusado de cheirar cola, diz Supremo

Eventuais infrações cometidas por um militar devem ser julgadas e esgotadas dentro do respectivo tribunal. Por maioria de votos, a 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal concedeu Habeas Corpus parcial para que o Superior Tribunal Militar julgue um pedido de arquivamento de inquérito contra soldado do Exército, preso em flagrante cheirando cola, no estado de Mato Grosso do Sul.

Para o presidente da Turma, ministro Marco Aurélio, “deve-se esgotar a instância militar”. Se a decisão for negativa no STM, o Supremo poderá avaliar o caso.

De acordo com o ministro Marco Aurélio, o artigo 290 do Código Penal Militar fala da utilização de substância que determine dependência física ou psíquica. “Aí estaria incluído o tolueno”, destacou o ministro, sustentando que, no caso, talvez fosse necessária a realização de uma perícia. A substância é a base da cola de sapateiro. O entendimento foi compartilhado pelos demais ministros Menezes Direito, Cármen Lúcia e Ricardo Lewandowski.

Já o ministro Carlos Ayres Britto votou pela concessão total do HC para encerrar o inquérito, considerando que o crime não é previsto pelo CPM.

A defesa alegou que o crime não está previsto no artigo 290 do CPM, uma vez que o tolueno, substância psicotrópica presente na popular “cola de sapateiro”, não estaria presente na portaria 344, da Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, que lista as substâncias entorpecentes de uso proibido.

O pedido feito ao Superior Tribunal Militar para arquivar o inquérito foi considerado prejudicado, porque o Ministério Público Militar apresentou denúncia contra o soldado depois que a defesa entrou com o HC no STM.

HC 94.418

Revista Consultor Jurídico, 9 de setembro de 2008, 17h40

Comentários de leitores

2 comentários

Não é o país e sim alguns 'ditos' cidadãos que ...

futuka (Consultor)

Não é o país e sim alguns 'ditos' cidadãos que o envergonham, inclusive alguns que se dizem servidores públicos, sejam militares ou não.

Este país é uma vergonha. O direito ensina e re...

Bob Esponja (Funcionário público)

Este país é uma vergonha. O direito ensina e replicado nos grandes escritorios, nos tribunais, etc é falido. Como o caso de um réco que cheira cola foi parar no supremo? Isso não é direito, isto é bagunça generalizada. Se até um caso simples como este é alongado ao infinito. Imaginem um homicidio ou colarinho branco.

Comentários encerrados em 17/09/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.