Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Estética fora

Juíza adia inscrição de concurso no Rio por discriminação

Por entender que o edital do concurso para Guarda Municipal da cidade do Rio de Janeiro é discriminatório, a juíza Leydir Kling Lago Alves da Cruz, da 51ª Vara do Trabalho do Rio, determinou a prorrogação do concurso da Guarda Municipal por mais 20 dias. Candidatos portadores de deficiência física, com cicatrizes, com menos de 20 dentes, magros, obesos e com estatura limitada poderão concorrer.

A polêmica já dura quase um ano, quando o Ministério Público do Trabalho cobrou da Guarda Municipal que ajustasse os requisitos exigidos pelo concurso. O procurador do Trabalho, Wilson Roberto Prudente, havia entrado com uma representação contra o edital do concurso para anular a cláusula que prevê ser “inapto” o candidato que não passar no exame odontológico de acordo com as regras do edital. No dia 25 de agosto, o procurador entrou com uma Ação Civil Pública.

A ação incluía liminar de tutela antecipada para que a Justiça do Trabalho declarasse nulas as cláusulas do edital do concurso público da Guarda Municipal apontadas como discriminatórias e inconstitucionais. Entre elas estavam a exigência de o candidato ter, no mínimo, 20 dentes, limites de estatura e peso, e proibição de pessoas portadoras de deficiência e de cicatrizes de participarem do concurso.

“O fato é que o edital que discrimina os cidadãos portadores de qualquer deficiência física ou que não tenham pelo menos 20 dentes na boca ou determinada compleição física ou estatura bem como o estabelecimento de limitação do meio de inscrição no concurso ao procedimento eletrônico, desestimula a inscrição dos cidadãos discriminados, o que ofende, sem dúvida, aos direitos difusos constitucionalmente garantidos”, afirmou a juíza Leydir Kling.

Ela estabeleceu, ainda, que os candidatos portadores de deficiência não poderão ser submetidos às provas físicas e antropométricas previstas no edital que impliquem na eliminação do concurso.

Wilson Prudente comemorou. Segundo ele, a decisão abre um precedente para que as discriminações indicadas no edital não estejam presentes em nenhum outro concurso público. “A Justiça do Trabalho, com essa decisão, está fazendo história no Direito Constitucional brasileiro”, afirmou.

Na época em que o MPT entrou com a Reclamação, há cerca de um ano, a Guarda Municipal informou que a instituição “garantiu no acordo coletivo deste ano, a assistência odontológica para os guardas municipais”. Além disso, explicou que a exigência “busca preservar a imagem de um profissional que atua em contato direto com a comunidade, desenvolvendo diversas ações sociais inclusive nas escolas municipais onde exemplos à saúde devem ser incentivados”.

O prazo das inscrições terminaria no próximo dia 7. De acordo com a decisão, a Guarda Municipal deverá providenciar um posto de inscrição, pelo menos, com acesso gratuito à internet, uma vez que as inscrições só serão recebidas através da rede. A juíza determinou ainda que sejam disponibilizados funcionários para auxiliarem as inscrições que serão feitas nos postos.

Revista Consultor Jurídico, 3 de setembro de 2008, 16h01

Comentários de leitores

2 comentários

Qual a importância dos dentes para o desempenho...

JB. (Procurador do Município)

Qual a importância dos dentes para o desempenho da função de guarda? Por acaso, não existe a possibilidade de colocação de prótese ou de fazer implante? E a cicatriz em que atrapalharia o trabalho do guarda? As exigências deste edital são surreais!!! Ainda bem que o Judiciário barrou essa loucura!!!

A excelencia está indo longe demais. Não é essa...

Reinhardt (Consultor)

A excelencia está indo longe demais. Não é essa a posição do Supremo Tribunal Federal, nem do STJ. Há cargos que, pelas suas exigencias funcionais , implicam em higidez fisica e mental. Não é sensato exigir de um jovem , com algumas arrobas na pança , que persiga vendedores ambulantes ou que carregue nos braços uma pedestre caído na via pública. Daí as exigencias . A dentição é manifestação concreta de saúde . Essa senhôra quer aplicar um Direito alternativo , desviado (eu disse desviado,então disse-o bem) das finalidades da Administração . Ela está jogando para a arquibancada, pois culto como deve ser todo o juiz , sabe que sua interpretação não está alinhada com a jurisprudencia dos Tribunais Superiores . Isso é água de barrela . Tem interesse jornalistico ("inédita", como adjetivam os escrivinhadores diários ), mas sem nenhuma sustentação tecnico-jurídica.

Comentários encerrados em 11/09/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.