Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Espera de sentença

Assaltante de banco não consegue liberdade no Supremo

Fracassou a tentativa de Odlavson Gelain de conseguir liberdade. Ele foi preso por roubo a mão armada, formação de quadrilha e seqüestro de pessoas em assalto ao Banco de Brasília. O pedido de liminar em Habeas Corpus foi negado pelo ministro Menezes Direto, do Supremo Tribunal Federal.

Com a decisão, Odlavson continuará preso, aguardando o pronunciamento de uma nova sentença pela 2ª Vara Criminal da Circunscrição Especial de Brasília (DF). Ele foi condenado a 21 anos e 11 meses de reclusão em 2004, mas essa sentença foi anulada pelo Superior Tribunal de Justiça. Fundamento: erro no cálculo da pena.

A defesa pretendia que seu cliente aguardasse em liberdade o pronunciamento da nova sentença. Alegou que Odlavson já cumpriu mais de um terço da pena que havia sido aplicada e foi anulada, após quatro anos de prisão. Há mais de oito meses ele aguarda a nova sentença, o que configuraria excesso de prazo na prisão.

Menezes Direito explicou que o STJ não se manifestou sobre o excesso de prazo alegado pela defesa. “Com efeito, a apreciação desses aspectos, neste ensejo, parece-me conduzir a uma supressão de instância não autorizada”, disse ele.

O ministro acrescentou que a decisão do STJ que manteve a prisão do condenado “encontra-se em perfeita consonância com o entendimento firmado” pelo Supremo. O STJ negou o pedido de liberdade porque, com a instrução criminal concluída, não se poderia falar em excesso de prazo.

O Habeas Corpus ainda será julgado definitivamente pela 1ª Turma do STF. O ministro Menezes Direito solicitou que a 2ª Vara Criminal de Brasília envie informações sobre o eventual pronunciamento de nova sentença contra o acusado.

HC 95.576

Revista Consultor Jurídico, 2 de setembro de 2008, 0h00

Comentários de leitores

6 comentários

“Com efeito, a apreciação desses aspectos, nest...

Victor (Estudante de Direito - Criminal)

“Com efeito, a apreciação desses aspectos, neste ensejo, parece-me conduzir a uma supressão de instância não autorizada” Direito entregou tudo agora. E desde quando existe supressão de instância autorizada? Ah é, tem o Dantas.

NEM TODOS TEM A MESMA OPPORTUNITTY!

Marcelo Bona (Outros)

NEM TODOS TEM A MESMA OPPORTUNITTY!

Tadinho...deve ser pobre...realmente...pobre co...

RBS (Advogado Autônomo)

Tadinho...deve ser pobre...realmente...pobre coitado...Também acho injusto esta pessoa ficar presa com tantas outras que roubaram muito mais andando por aí.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/09/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.