Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Serviço secreto

Lula quer demissão de responsáveis por grampear Gilmar Mendes

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, determinou a demissão sumária dos responsáveis pelas escutas ilegais feitas pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Como publica o jornal O Estado de S. Paulo, a missão de descobrir os espiões e puni-los foi conferida ao diretor-geral da Abin, Paulo Lacerda. A decisão deve ser anunciada pelo presidente Lula durante a reunião que tem com Gilmar Mendes, o vice-presidente do STF Cezar Peluso, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral Carlos Britto e Paulo Lacerda, na manhã desta segunda-feira (1/9).

Depois da confirmação de que seus telefones estavam grampeados e de que a ilegalidade partiu da Abin, como indicou reportagem da revista Veja, Gilmar Mendes cancelou a viagem que faria no final de semana para a Coréia do Sul, onde participaria da celebração do 20º aniversário da Constituição e da Corte Constitucional daquele país. Além da reunião com o presidente Lula, Gilmar Mendes convocou uma reunião de conselho, às 16h desta segunda, com todos os ministros do Supremo, para tratar dos grampos ilegais.

Segundo o Estadão, o ministro-chefe da Segurança Institucional, general Jorge Felix, à qual a Abin é subordinada, já conversou com o presidente Lula sobre as providências a serem tomadas. O general pediu ao procurador-geral da República, Antonio Fernando de Souza, que o Ministério Público também investigue o caso.

"Paralelamente, está sendo feita uma sindicância na Abin. Uma coisa é certa: tudo indica que houve uma gravação, porque os dois interlocutores reconheceram o teor da conversa. Se foi a Abin, pode ser e pode não ser. Mas que houve a gravação, houve. Quem fez isso será punido", afirmou o general. Ele disse que condena esse tipo de atitude e que ela não será tolerada.

O general afirmou que a orientação é para que a Abin só trabalhe dentro das normas vigentes. “Fazemos nosso trabalho dentro do que a democracia permite. Defendo a escuta ambiente, porque é uma ferramenta importante para o serviço de inteligência. Mas hoje não é permitida. Então, não fazemos.” O general afirmou ainda que, nos últimos cinco anos, todas as vezes em que acusaram a Abin de estar por trás de alguma coisa, nada ficou provado. Ele diz que espera que desta vez também a agência não seja a responsável pelas escutas ilegais.

O jornal apurou, ainda, que no Palácio do Planalto e entre funcionários da Abin existe a suspeita de que agentes egressos do antigo Serviço Nacional de Informações (SNI), o serviço secreto criado pelo governo militar, estejam por trás dos grampos nos telefones do Supremo.

Revista Consultor Jurídico, 1 de setembro de 2008, 10h19

Comentários de leitores

21 comentários

Que dizer de um ministro do STF que dá crédito ...

Senhora (Serventuário)

Que dizer de um ministro do STF que dá crédito a Revista Veja? Acho que foi o próprio ministro que encomendou a matéria rsrs... Eu acreditei na matéria da Veja, as fontes são muito confiáveis, transparentes... Mas infelizmente, a matéria conseguiu derrubar Paulo Lacerda,que com certeza tem um curriculo muito melhor e digno de crédito do que o do ministro que o derrubou...

E o Antonio Cândido Dinamarco como sempre procu...

Mauro (Professor)

E o Antonio Cândido Dinamarco como sempre procurando e apontando os erros alheios.

Prezado Caracolis : ombridade ou hombridade ?

acdinamarco (Advogado Autônomo - Criminal)

Prezado Caracolis : ombridade ou hombridade ?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/09/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.