Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Intimidade inviolável

PTB pede no Supremo inconstitucionalidade da lei de grampos

O PTB está questionando a Lei 9.296/96, que trata de interceptação telefônica. O partido entregou ao Supremo Tribunal Federal Ação Direta de Inconstitucionalidade contra cinco dispositivos da lei.

Segundo o PTB, a lei é incompatível com a Constituição nos princípios que garantem a inviolabilidade da intimidade, da vida privada, do sigilo das correspondências e das comunicações telefônicas (artigo 5º, incisos X, XII, LIV, e LVI).

O primeiro dispositivo questionado é o parágrafo único, do artigo 1º, da lei, que permite a quebra de sigilo de dados de computadores e de sistemas telemáticos. Para o partido, o dispositivo "atentou contra a inviolabilidade do sigilo das comunicações no âmbito de processamento de dados".

O PTB afirma que a Constituição “garantiu a inviolabilidade do sigilo das comunicações privadas de uma maneira geral, excetuando apenas os das comunicações telefônicas”. A legenda acrescenta que, mesmo com relação a dados de sistemas telemáticos, “deve-se dizer que o texto constitucional só parece permitir a interceptação de ‘comunicação telefônica’ stricto sensu (ou seja, da voz), e não da ‘comunicação via telefone’ (compreendendo a telemática)”.

O segundo dispositivo questionado é o inciso III, do artigo 2º, da lei, que impede o grampo quando o fato investigado for infração penal punida com, no máximo, detenção. O partido alega que a regra é genérica, viola o devido processo legal e não respeita o princípio da proporcionalidade.

“O legislador, de forma irrazoável, não indicou expressamente os casos em que a interceptação poderia ser possível”, alega o PTB. Por isso, o partido pretende que seja dado ao texto da lei uma interpretação conforme a Constituição para permitir que a interceptação telefônica somente seja possível para crimes considerados graves e não para qualquer crime punido com prisão.

O terceiro e quarto dispositivos são o caput e o inciso II, do artigo 3º, que permitem que o juiz determine a interceptação telefônica de ofício e durante a instrução processual penal. O partido afirma que, nessa parte, a norma compromete o "princípio da imparcialidade" e "cria a figura do ‘juiz inquisidor’, inaceitável diante do processo acusatório adotado no Brasil".

Por fim, o PTB contesta o parágrafo 2º, do artigo 4º, da lei, que dá ao juiz o prazo máximo de 24 horas para decidir sobre o pedido de interceptação. O partido diz que a regra "visa, sem dúvida, impedir de modo indireto, por meio de um prazo desproporcional, que o magistrado tenha a possibilidade de sequer examinar os autos".

Ao fazer um histórico da lei, o PTB argumenta que “os chamados grampos telefônicos se banalizaram e se multiplicaram por todo o país, gerando um efeito utilitarista e nocivo”. Diz ainda que, por qualquer razão, as autoridades conseguem autorização judicial com o argumento de investigar prática criminosa.

ADI 4.112

Revista Consultor Jurídico, 24 de julho de 2008, 0h00

Comentários de leitores

10 comentários

Brasil... o único país onde os cachorros são am...

Thiago Nunes (Estudante de Direito)

Brasil... o único país onde os cachorros são amarrados com linguiça e onde os criminosos de terno ditam as leis.

Qual partido? PTB? É aquele do delator que depo...

Vitor M. (Advogado Associado a Escritório)

Qual partido? PTB? É aquele do delator que depois de não receber seu quinhão entregou todo mundo e virou herói? Aquele partido do mensalão? Aquele partido cujos parlamentares tremiam como vara evrde durante o Circo, hã, quer dizer, CPI? Hmmmmmm....

Aos poucos se vai percebendo a necessidade de m...

olhovivo (Outros)

Aos poucos se vai percebendo a necessidade de mudar o conceito de grampo. De brinquedo, para a prática de travessuras, passará a instrumento de utilidade pública utilizado por gente grande.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/08/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.