Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Último a ler

Greenhalgh pede ao Supremo para ver inquérito da Satiagraha

O advogado e ex-deputado Luiz Eduardo Greenhalgh pediu ao Supremo Tribunal Federal, nesta quinta-feira (24/7), para ter acesso ao inquérito da Operação Satiagraha, da Polícia Federal.

De acordo com Greenhalgh, “embora se diga serem sigilosos (os dados das investigações), a imprensa continua diuturnamente divulgando trechos de suas peças, com referências ao nome do peticionário, sem que este seja dado conhecer o inteiro teor de tudo quanto exista registrado a seu respeito”.

Ele alega que solicitou, em duas oportunidades, o acesso ao inquérito na 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, mas não teve resposta até o momento.

Justifica, por fim, que “a cada dia é alvo de notícias infundadas pela imprensa, sem que possa ter conhecimento dos autos e do material objeto do monitoramento e escutas a seu respeito”.

A Operação Satiagraha, da Polícia Federal, culminou com as prisões temporárias do banqueiro Daniel Dantas, do investidor Naji Nahas e do ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta. Dantas foi beneficiado com um Habeas Corpus, concedido pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal. Horas depois de ser solto, novo pedido de prisão, dessa vez preventiva, levou o banqueiro de volta à Polícia Federal. O Supremo novamente mandou soltar o banqueiro. O STF concedeu também liberdade para Nahas e Pitta. De acordo com a PF, Greenhalgh estaria envolvido com o grupo.

HC 95.009

Revista Consultor Jurídico, 24 de julho de 2008, 22h09

Comentários de leitores

4 comentários

"Quem tem, tem medo." acdinamarco@aasp.org.br

acdinamarco (Advogado Autônomo - Criminal)

"Quem tem, tem medo." acdinamarco@aasp.org.br

Porque não aplicar, in casu, o código penal mil...

HERMAN (Outros)

Porque não aplicar, in casu, o código penal militar, Dec-Lei n. 1001, de 21/10/69, art. 355, que assim trata a traição, verbis: "Tomar o nacional armas contra o Brasil ou estado aliado, ou prestar serviço nas forças Armadas de nação em guerra contra o Brasil: Pena - morte, grau máximo; reclusão, de vinte anos, grau mínimo.", ou ainda, art. 359, "Prestar o nacional ao inimigo informação ou auxílio que lhe possa facilitar a ação militar: Pena - morte, grau máximo; reclusão, de vinte anos, grau mínimo."

O "AVANTE PF!" não comenta essa notícia por fal...

olhovivo (Outros)

O "AVANTE PF!" não comenta essa notícia por faltar palavras. Talvez a vontade dele seria exclamar "RETROCEDE PF!". Hehehe...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/08/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.