Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nova direção

Saadi assume comando das investigações na Operação Satiagraha

O delegado Ricardo Saadi assumiu o comando das investigações da Operação Satiagraha, da Polícia Federal. Ele substitui o delegado Protógenes Queiroz. A operação foi deflagrada no dia 8 de julho, quando foram cumpridos mandados de busca e apreensão e prisão temporária do banqueiro Daniel Dantas, do investidor Naji Nahas e do ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta.

Segundo a Agência Brasil , Saadi estava chefiando a Delegacia de Repressão a Crimes Financeiros da Polícia Federal em São Paulo. O delegado já está trabalhando na montagem de uma nova equipe de trabalho para conduzir o restante das investigações.

De acordo com informação da própria Polícia Federal, Protógenes Queiroz foi afastado das investigações para fazer curso obrigatório para progressão de carreira. O motivo da saída do delegado criou uma situação embaraçosa para a PF, que acabou divulgando trechos do encontro em que foi decidida a saída do delegado.

Protógenes afirmou que a gravação da reunião divulgada pela Polícia Federal não refletia o contexto do encontro. Ao deixar as investigações, o delegado teria dito, ainda, que sofria interferências externas, o que teria prejudicado seu trabalho.

O ex-titular da Operação Satiagraha disse ainda que a própria PF estaria filtrando as informações para confundir o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que cobrou explicações publicamente sobre a retirada do delegado do caso. Além de Protógenes Queiroz, foram afastados os delegados Karina Murakami Souza e Carlos Eduardo Pelegrini, que atuavam no caso.

O último ato de Protógenes Queiroz à frente das investigações foi o indiciamento, na última sexta-feira (18/7), de Daniel Dantas e outros nove diretores do Banco Oportunitty por fraude financeira e formação de quadrilha.

Histórico

A Operação Satiagraha deteve o banqueiro Daniel Dantas, o investidor Naji Nahas, o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta e mais 14 pessoas suspeitas. A maioria deles foi solta graças a Habeas Corpus concedidos pelo presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, que entendeu não haver embasamento da Justiça Federal para determinar as prisões preventivas.

O prende-e-solta ganhou as páginas da imprensa que, quase unanimemente, desconsiderou os argumentos do Supremo e condenou as solturas. No Judiciário paulista, o Ministério Público Federal de São Paulo, através do procurador Rodrigo de Grandis, e o titular da 6ª Vara Criminal Federal paulista, Fausto de Sanctis, que atuam no caso, não se conformaram com a concessão de HCs pelo presidente do STF e reagiram com críticas a Gilmar Mendes.

Por sua vez, o presidente do Supremo rebateu com críticas aos métodos da PF na apuração dos fatos e os argumentos dos colegas paulistas.

Revista Consultor Jurídico, 22 de julho de 2008, 15h01

Comentários de leitores

2 comentários

Quê é isso Gabriel, os servidores do atual gove...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

Quê é isso Gabriel, os servidores do atual governo são todos acima de qualquer suspeita. O resto da sociedade é que ocupa a banda podre.

PALHAÇADA... esse Saadi tem cara de comprado pe...

Gabriel (Estudante de Direito)

PALHAÇADA... esse Saadi tem cara de comprado pelo governo para fica na miuda nessa investigação.

Comentários encerrados em 30/07/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.