Consultor Jurídico

Colunas

Segunda Leitura

Segunda Leitura: falta regulamentação de segredo de Justiça

Por 

Vladimir Passos de Freitas 2 - por SpaccaO segredo de Justiça consiste em manter sob sigilo processos judiciais ou investigações policiais, que normalmente são públicos, por força de lei ou de decisão judicial. Assim, em determinadas situações, o interesse de possibilitar informações a todos cede diante de um interesse público maior ou privado, em hipóteses excepcionais. No Brasil, há previsão nos artigos. 5º, XII, XIV e XXXIII; 93, X; e 136, parágrafo 1º, I, “b” e “c” da Constituição Federal; artigo 325 do Código Penal; artigo 20 do Código de Processo Penal; artigo 10 da Lei 9.296/96; artigo 11 da Lei Complementar 10.300/01; e artigo 155 do Código de Processo Civil, além de dispositivos em leis esparsas (p. ex., art. 1º, § 6º, da Lei 4.717 76).

O tema tem várias faces. De um lado, à unanimidade, todos concordam que as questões de Estado devem tramitar sigilosamente (por exemplo, direito de família). De outro, o sigilo nas investigações policiais desperta grandes polêmicas. No meio, sem que ninguém aponte um caminho, ficam temas pouco estudados, mas não menos importantes (por exemplo, publicidade dos processos disciplinares contra magistrados, Lei Complementar 69, artigo 54). Vejamos a realidade forense.

a) Investigações policiais: busca a Polícia Judiciária colher provas, regra geral em Inquérito Policial, sem a interferência da defesa (CP, art. 20), vez que nesta fase ainda não há o contraditório. Os advogados criminalistas, ao contrário, reivindicam o direito de acesso aos IPs, como assegura o artigo 7º, XIV, da Lei 8.096/94. O STF deu boa solução, assegurando ao advogado o direito de obter informações já introduzidas nos autos, mas não as que se referem a diligências em curso (HC 82.354/PR, Rel. Sepúlveda Pertence). É dizer, tem direito de saber o que há, mas não o que haverá;

b) Ações penais em geral: processos criminais são, regra geral, públicos e o sigilo só se justifica se houver ofensa que exponha a vítima a situação constrangedora (por exemplo, em caso de estupro com violência);

c) Ações penais originárias: as ações penais propostas contra autoridades com direito a foro privilegiado, nos tribunais recebem, regra geral, segredo de Justiça, com base no artigo 54 da Loman. Todavia, o artigo 93, X, da Constituição Federal, afirma que as decisões administrativas dos tribunais serão motivadas e em sessão pública. Na praxe forense tem se mantido o sigilo, mas a publicidade prevista na Carta Magna, ao meu juízo, deve prevalecer sobre o sigilo da Loman.

d) Legislação civil: as ações de Estado são sigilosas (art. 155, II, do CPC). Mas o que é o interesse público previsto no inciso I? Na minha opinião, é aquele que se sobrepõe ao do particular, que afeta a comunidade como um todo. Por exemplo, há interesse público em uma ação que discuta a localização de antenas eletromagnéticas, cujos efeitos são desconhecidos.

Aí estão as previsões. Nem por isso as soluções são simples. O artigo 10, da Lei 9.296/96, afirma ser crime quebrar segredo da Justiça sem autorização judicial. Mas como garantir o sigilo, se o processo passa pela Polícia, Vara, MP e advogado? No sistema atual não existem regras sobre a tramitação e qualquer dos atores ou servidores pode passar à frente informações, por corrupção, vaidade, amizade ou outro sentimento. E a jurisprudência não registra condenações.

Novas questões surgem diariamente. No TJ do Rio Grande do Sul, dois acórdãos originários do vazamento de resíduos de um aterro sanitário para um rio, causando a morte de toneladas de peixes, tiveram posições divergentes. No âmbito administrativo, a 4ª Câmara Cível, julgando o AI 70017436676, em 14 de fevereiro de 2007, garantiu a uma empresa o sigilo do processo administrativo, portanto, sem divulgação de seu nome, até decisão definitiva. Todavia, no âmbito penal, a 4ª Câmara Criminal, no MS 6001884735, em 28 de junho de 2007, decidiu que “A decretação de sigilo processual, que é medida excepcional, requer a comprovação de relevante interesse social ou necessidade de preservação da intimidade, principalmente, das vítimas”. Portanto, posições opostas, fico com a segunda, que dá realce ao interesse público.

Concluindo, fica o registro de que no Direito brasileiro questões de máxima relevância, como o cabimento e alcance do segredo de Justiça, limites da censura judicial, uso de algemas, influência da mídia sobre os atores judiciais, estatística das ações penais originárias e outras tantas ainda estão aguardando lei (ou atos administrativos do CNJ), doutrina e jurisprudência. Depois de 20 anos de Constituição, não está passando da hora?

Topo da página

 desembargador Federal aposentado do TRF 4ª Região, onde foi presidente, e professor doutor de Direito Ambiental da PUC-PR.

Revista Consultor Jurídico, 20 de julho de 2008, 00:00

Comentários de leitores

3 comentários

Esqueci do mais importante. Tudo isso em uma p...

Ticão - Operador dos Fatos ()

Esqueci do mais importante. Tudo isso em uma página. Só uma.

Esse Vladimir tá se saindo melhor do que a enco...

Ticão - Operador dos Fatos ()

Esse Vladimir tá se saindo melhor do que a encomenda. Consegue colocar os problemas de maneira muito clara. Consegue separar, muito claramente, o que é fato do que é a opinião dele. Coisa que a maioria dos jornalistas não consegue mais. No terceiro parágrafo já se percebe a manipulação da maioria das matérias. Espero que a tentativa de exigência de diploma de jornalista não vingue. Não podemos perder esse talento.

PArabéns ao articulista, pois o tema é relevant...

analucia (Bacharel - Família)

PArabéns ao articulista, pois o tema é relevante. O CNJ deveria ler os artigos deste brilhante profissional para subsidiar o seu trabalho. Pena que esteja ocupado definindo se Oficial de Justiça deva ter curso superior ou náo, bem como outros temas de interesse corporativo e náo social. Proponho que o articulista fale também sobre as ouvidorias no ämbito dos Tribunais.

Comentários encerrados em 28/07/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.