Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Gestão fraudulenta

Daniel Dantas e outros nove são indiciados pela PF

A Polícia Federal indiciou nesta sexta-feira (18/7) o banqueiro Daniel Dantas e mais nove pessoas por gestão fraudulenta e formação de quadrilha. O grupo foi preso durante a Operação Satiagraha, deflagrada pela Polícia Federal, que investigou crimes financeiros. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

À exceção do professor Hugo Chicaroni e Humberto Braz, assessor de Dantas, que continuam presos, todos os acusados passaram pela carceragem da PF e foram beneficiados por Habeas Corpus concedidos pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes.

Depoimento

Dantas e outros noves diretores do grupo Opportunity estiveram nesta sexta na Superintendência da Polícia Federal em São Paulo para prestar esclarecimentos ao delegado Protógenes Queiroz, que ainda comanda as investigações. Eles ficaram na PF por aproximadamente seis horas, mas se mantiveram calados por recomendação de seus advogados.

O advogado Nélio Machado justificou o silêncio de seus clientes em documento endereçado ao delegado Protógenes. No texto, Machado lembrou que o inquérito está cheio de "vícios insuperáveis" e de "fatos estranhos, inusitados e irregulares que permeiam a investigação". Ele também protesta contra o que chamou de vazamentos "abusivos" e "ilícitos" de informações do inquérito, além do cerceamento à atividade advocatícia.

Uma operação cercada de polêmicas

A Operação Satiagraha foi deflagrada no dia 8 de julho e deteve, entre outros, o banqueiro Daniel Dantas, o investidor Naji Nahas, o ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta e mais 14 pessoas suspeitas. A maioria deles foi solta beneficiadas por HCs concedidos pelo presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, que questionou o embasamento da Justiça Federal para acolher as prisões.

O prende-e-solta ganhou as páginas da imprensa que, quase unanimemente, desconsiderou os argumentos do Supremo e condenou as solturas. No Judiciário, o Ministério Público Federal de São Paulo, através do procurador Rodrigo de Grandis, e o titular da 6ª Vara Criminal Federal paulista, Fausto de Sanctis, não se conformaram com a decisão e reagiram com críticas a Gilmar Mendes. Por sua vez, o presidente do Supremo questionou os métodos da PF na apuração dos fatos e ainda as argumentações dos colegas paulistas.

Revista Consultor Jurídico, 18 de julho de 2008, 21h38

Comentários de leitores

9 comentários

Enquanto a grande pizza vai dourand...

hammer eduardo (Consultor)

Enquanto a grande pizza vai dourando devagarinho ( sera que alguem ai nessa altura do campeonato ainda acredita que vai dar em alguma coisa??????????) , cabe a mim mais uma vez lembrar um fato lamentavel. O CONJUR NÃO PUBLICOU UMA LINHA SEQUER A RESPEITO DAQUELA BARBARIDADE OCORRIDA A DUAS SEMANAS AQUI NO RIO DE JANEIRO QUANDO UMA CRIANÇA DE 3 FOI MORTA COVARDEMENTE EM PLENA LUZ DO DIA POR PARTE DA NOSSA GESTAPO CARIOCA , ERRO LAMENTAVEL QUE NÃO CONDIZ DE FORMA ALGUMA COM A LINHA EDITORIAL DO CONJUR. É PRATICAMENTE IMPOSSIVEL IMAGINAR QUE DESCONHECERAM O FATO QUE SAIU ATE NA CNN PARA NOSSA VERGONHA ADICIONAL.

Pensar ou cogitar ainda que por um instante man...

Ana d´Angelo (Jornalista)

Pensar ou cogitar ainda que por um instante manter Dantas preso ameace o estado democrático de direito e minhas liberdades e de outro cidadão realmente é ser hipócrita demais... As cadeias cheias há decadas ameaçam então o quê?? Nada, porque lá só tem pobre e pobre não é gente...

Tanto o povo que não está aguentando que resolv...

Ana d´Angelo (Jornalista)

Tanto o povo que não está aguentando que resolveu ir à ruas em SP para tirar o Gilmar Mendes. O Gilmar Mendes conseguiu levar o STF para a bOCAa do povo da pior forma possível. A indignação está em todos os fóruns de leitores de diversos sites de notícias, blogs etc. E não envolve questão partidária. O STF NÃO MERECE SANGRAR EM PRAÇA PÚBLICA POR CAUSA DE GILMAR MENDES. A propósito, o resto do STF está caladinhooooooo. Gilmar está só. Reproduzo o que disse um comerciante na matéria do movimento fora Gilmar que li há pouco num desses sites: "" Para ele, há, no Brasil, três tipos de justiça: “a dos banqueiros, que nunca ficam presos; a da classe média, que pode ir para a prisão dependendo do ‘clamor das ruas’; e a dos pobres, que sempre ficam na cadeia, sem qualquer tipo de julgamento”.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 26/07/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.