Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tiro no pé

Erros da Polícia Federal prejudicam investigações

Por 

Os delegados federais Protógenes Queiroz e Karina Murakami Souza anunciaram o afastamento do comando da Operação Satiagraha nesta terça-feira (15/7). De acordo com a explicação oficial, não houve pressão para o afastamento e ele não foi causado por erros no inquérito ou críticas à condução da operação.

A vida dos investigadores e delegados da Polícia Federal não é fácil. A operação do momento exemplifica bem como é complicado combater o crime quando faltam elementos materiais e humanos para fazer frente à tarefa.

Na terça-feira passada (8/7), quando foi deflagrada a operação, agentes federais erraram o endereço de Daniel Dantas, o principal investigado. Bateram na casa do ex-banqueiro Luiz Cezar Fernandes, ex-sócio do Pactual, como registrou Lauro Jardim, colunista da revista Veja.

Na mesma hora, policiais em São Paulo confundiram o dentista Fábio Bibancos com Marco Matalon, apontado no inquérito como doleiro. Os investigadores invadiram a clínica do dentista e o prédio onde ele mantém duas ONGs. Renderam-no aos gritos e levaram consigo computadores, latops e agendas. O dentista foi agredido. Os endereços errados constavam nos mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça.

Pouco depois de a ação ter sido deflagrada, a revista Consultor Jurídico noticiou que o delegado Protógenes Queiroz havia pedido a prisão da jornalista Andréa Michael, da Folha de S.Pauloleia aqui a notícia. A acusação era de “vazamento” de informação pelo fato de a jornalista ter feito seu trabalho e feito reportagem sobre as investigações. O juiz negou os pedidos de prisão e de busca e apreensão de documentos na casa da jornalista. Mas, para o delegado, ela era membro da quadrilha “travestida de jornalista em Brasília”.

Os investigadores mostraram especial interesse em jornalistas. Eles parecem ver jornalistas a soldo de Dantas nas redações como um dia os militares enxergavam comunistas nos jornais. Segundo o delegado, jornalistas beneficiam Dantas pelo fato de publicar informações sobre os negócios do Opportunity.

Em relatório parcial da Operação Satiagraha obtido pela revista Consultor Jurídico, publicado na íntegra nesta segunda-feira (14/7), feito basicamente com interceptações telefônicas e e-mails, a Polícia Federal se confunde — leia aqui a notícia e a íntegra do documento.

O relatório é assinado pela delegada Karina Murakami Souza e foi entregue ao juiz Fausto Martin de Sanctis, da 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, no dia 24 de junho — duas semanas antes de a operação ser deflagrada.

No item de número cinco do relatório, intitulado de Manipulação da Mídia, a delegada afirma que no curso das investigações se deparou “com diálogos e e-mails que apontam para a ocorrência de manipulação de mídia pela organização criminosa investigada”. A delegada registra ainda que notou que “tudo que se publica com relação aos interesses do grupo é acompanhado de perto e cuidadosamente” por eles próprios.

Um dos indícios do envolvimento da imprensa com a “organização criminosa” é uma troca de mensagens em que os interlocutores tentam localizar um editorial já publicado no jornal Folha de S.Paulo. Para a Polícia Federal, contudo, eles conversam “a respeito de um editorial sobre o qual, ao que tudo indica, estão acertando detalhes”.

Outro indício é uma mensagem na qual uma bibliotecária do Opportunity pede orçamento para tradução de três textos, que foi lida pela PF como um levantamento de preços para a produção de notícias a favor de Dantas. O conteúdo da mensagem é o seguinte:


Assunto: Orçamento

De: Adriana Abreu

Data: 19-Feb-2008 14:20:39 ZW3

Para: fatmonk@superig.com.br


Boa Tarde!

Gostaria de solicitar o orçamento das notícias abaixo:

(See attached file: 2007-11-08-consultor.pdf) (See attached file: 2007-11-12-Jornal do Brasil port.pdf) (See attached file: 2007-11-19-Conversa_Afiada port.pdf)


Adriana Abreu

CEIDOC – Opportunity


Uma das notícias anexadas na mensagem é da ConJur, outra do Jornal do Brasil e a terceira do site Conversa Afiada, de Paulo Henrique Amorim. A ConJur enviou mensagem para o endereço de e-mail destinatário da bibliotecária do Opportunity perguntando sobre os trabalhos prestados. Recebeu como resposta uma tabela de prestação de serviços da empresa FM Traduções.

Entre os clientes da empresa de tradução, além do Grupo Opportunity, estão pelos menos quatro grandes escritórios de advocacia e diversas outras empresas. Para as traduções urgentes, o preço é de R$ 55 por página. Para as que não têm urgência, o preço é de R$ 30. A bibliotecária confirmou o pedido de tradução.

Mas, para a delegada, a mensagem revelava outra coisa: “Neste e-mail, Adriana Abreu, do Opportunity, pede o ‘orçamento’ de notícias que seguem em anexo. Há indícios, portanto, de manipulação da mídia. Demonstra aqui que os meios de comunicação têm servido aos interesses daqueles que os controlam e financiam, o que fere a ética e a moral do bom jornalismo”.

A mensagem foi enviada em 19 de fevereiro deste ano e as notícias tinham sido publicadas três meses antes, em novembro de 2007. O orçamento estava atrasado.

 é chefe de redação da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 15 de julho de 2008, 22h30

Comentários de leitores

59 comentários

Ah, e só um lembrete (que faço sem a mínima p...

Richard Smith (Consultor)

Ah, e só um lembrete (que faço sem a mínima pretensão de vê-lo atendido, claro). Antes de opinarem ou zurrarem também, dediquem-se os comentadortes deste espaço um pouco à surrealista porém nada fastidiosa leitura do relatório flatulado pelo grande ("AVANTE PF!" parece que ainda ouço o brado varonil do "fessô" PeTralha, mistificador, fujão, borra-cuecas, anti-clerical, abortista, mentiroso, infantil e escrôto e do seu heterônimo patulléia...) Dr. Protógenes. E verifiquem a higidez das provas! A substância marmórea das acusações! Conseguirá esta peça gasosa, a proeza inaudita de conferir um verdadeiro atestado de idoneidade a um protótipo do estereótipo do "homem-de-negócios" brasileiro: Daniel Dantas! E isso tudo, depois de só uns quatro aninhos de "investigações" araponguísticas! Não deixa de ser um feito e tanto, não?

QUÁ, QUÁ, QUÁ, QUÁ, QUÁ, QUÁ, QUÁ!!! Descu...

Richard Smith (Consultor)

QUÁ, QUÁ, QUÁ, QUÁ, QUÁ, QUÁ, QUÁ!!! Desculpem-me, mas quase fiz xixi na calça ao ver o comentário do indivíduo patulléia, PeTralha caloteiro, logo abaixo. E me lembrar dos comentários de outros mequetrefes que freqüentam este democrático espaço contra GIlmar Mendes e a favor do juiz De Sanctis e do "glorioso" delegado Protógenes, a dupla dinâmica que ns iria vingar de séculos de roubalheira. "A montanha rugiu e pariu um rato", diz um velho ditado chinês. Eu, na realidade diria: "A montanha rugiu e pariu um...peido"! E la nave va. Os safados continuarão impunes. Neste caso graças à imensa "qualidade" da peça inquisitorial peidada pelo Dr. Protógenes (por quê será que quando vemos a sua fotografia nos jornais temos o impulso de colocar um trocadinho na sua inexistente caneca?) depois de QUATRO ANOS! (essa peça deve ser da mesma laia dos "rigorosos inquéritos"). Ó triste País!

Como é o mundo... Os mesmos reacionários que...

Marcelo Augusto Pedromônico (Advogado Associado a Escritório - Empresarial)

Como é o mundo... Os mesmos reacionários que antes se utilizavam da censura e da tortura, hoje voltam-se contra isso, como se tivessem sido vítmimas, e utilizam tal pretexto como se fosse a mais pura realidade. Ora, se hoje uma jornalista qualquer pode ter (e deve ter)seu trabalho protegido, isso se deve a um processo de contestação, histórico, do qual, pelo jeito, alguns aqui que comentam pouco conhecem. Isso até pode ser compreensível, levando-se em conta que o próprio "Consultor Jurídico" através de seu chefe de redação, edita a matéria acima, visivelmente tendenciosa. Por exemplo: dizer que é complicado combater o crime na falta de provas e de elementos humanos, me parece pura ironia. Vejo que é sim complicado combater o crime, mas quando há interesses muito poderosos e maiores do que qualquer esforço que qualquer delegado possa fazer. Vejo também que o Juiz Fautos está sendo ameaçado, e até o momento não temos nenhuma reportagem a esse respeito, nem mesmo aqui no CONJUR, que é um site especializado em Direito. Visivelmente, não há nada de concreto que justifique, dentro da Lei, a suspeição do Juiz. Porém, Lei, para quê, não é mesmo?? Para quem???

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/07/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.