Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Notificação abusiva

Sindicato é condenado por cobrança indevida de cheque clonado

A cobrança indevida de cheque clonado gera indenização. O entendimento foi reiterado pelo juiz Alberto Gentil de Almeida Pedroso, do Juizado Especial Cível do Foro de Santana (SP). Ele condenou o Sindópolis (Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Minerais de Florianópolis) a pagar R$ 3,8 mil de indenização por danos morais por encaminhar notificação abusiva de cobrança ao comandante de vôo João Francisco da Silva. A sentença já transitou em julgado e não cabe mais recurso.

O autor da ação foi à Justiça depois de receber notificação do Sindópolis informando que seu nome seria encaminhado à Serasa e que poderia responder por estelionato por não pagar um cheque no valor de R$ 175. De acordo com o processo, o cheque não fora compensado pelo banco porque se tratava de clonagem.

A folha de cheque foi usada para pagamento de combustível num posto de gasolina de Florianópolis (SC). Detalhe: o autor mora em São Paulo. Diante do aborrecimento, ele pediu a condenação do Banco do Brasil e do Sindópolis. Ao analisar o pedido, o juiz entendeu que o banco não tem de responder pelo ocorrido.

Segundo ele, a instituição agiu corretamente ao não compensar o cheque, preservando o patrimônio do cliente. O sindicato, para se defender, alegou que o ato praticado não é capaz de gerar dano algum ao autor, pois encaminhou uma mera notificação.

Para o juiz Almeida Pedroso, foi imprudente e abusiva a notificação remetida ao autor. Ele destacou, também, que o recebimento do cheque ocorreu de maneira simplista, sem solicitação de documentos pessoas ou abertura de ficha cadastral no posto de gasolina, o que certificaria possíveis problemas com o título.

“Da simples leitura da notificação é de se concluir que uma pessoa correta e digna, que desconhece o motivo de tamanha ameaça ficasse abalada e preocupada, a ponto de ver superar os meros aborrecimentos do dia a dia”, fundamentou o juiz.

Por fim, ressaltou que o fato de o autor ter procurado o sindicato em Florianópolis para entender a possível pendência é fato suficiente para comprovar o dano moral. O autor foi representado pelo advogado Cid Pavão Barcellos.

Processo: 5.740/07

Revista Consultor Jurídico, 7 de julho de 2008, 11h51

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 15/07/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.